Pepa, treinador do Paços de Ferreira, analisa o nulo no reduto do Portimonense, em jogo da 16.ª jornada da Liga:

«É um ponto positivo, é verdade. Isto é uma maratona e todos os pontos são importantes. Mas sentimos que a equipa esteve muito bem na primeira parte, muito confortável a divertir-se dentro do campo. Teve personalidade, carácter, e estávamos a bloquear por completo o jogo do Portimonense, e só estávamos com algumas dificuldades nas bolas mais diretas para o Jackson, quer pela sua qualidade, como pela experiência. Mas mesmo aí estivemos bem nas coberturas e fizemos uma 1ª parte de grande nível, e sentíamos que poderíamos ter tido outro resultado.»

«Na 2ª parte o Portimonense, com um jogo mais físico, criou-nos mais dificuldades com a subida do Dener e entrada do Bruno (Costa), e a bola esteve mais descoberta no nosso meio-campo e não foi fácil anular. Algumas transições e perdas de bolas podiam tornar-se complicadas e lembro-me de uma bola do Aylton (Boa Morte) que passou cruzada, naquela que é capaz de ter sido a melhor oportunidade do Portimonense, e nós tivemos a do Diogo (Almeida) na 1ª parte. Não tivemos o mérito que tivemos na 1ª parte, mas acabou por ser um jogo equilibrado emotivo, sem grandes oportunidades mas com algumas para as duas equipas.»