Figura:

Salin: Teve pouco trabalho no primeiro tempo, mas no segundo evitou o empate do Boavista por diversas vezes. Se o Marítimo venceu no Bessa, tem que agradecer em grande parte ao seu guarda-redes. Mostrou-se sempre atento e no primeiro tempo travou uma jogada ofensiva dos axadrezados ao sair da área num lance em que Uchedo seguia isolado. Na segunda parte, aos 77 minutos impediu o golo do empate Abner. Nos descontos, voltou a intervir ao desviar para o poste um remate de Henrique.

Momento: 

28 minutos, golo de Dyego Sousa: Foi o necessário para os madeirenses levarem do Bessa os três pontos. O cabeceamento de Dyego Sousa bateu no poste antes de ultrapassar a linha de golo e fintou completamente o guarda-redes da casa. Chegou para a viagem de regresso à Madeira ser mais animada.

Negativo:

Edgar Costa: No momento em que ia ser substituído por já ter um amarelo, para o Marítimo não correr o risco de ficar reduzido a dez elementos, foi expulso por ter demorado a sair de campo. Prejudicou a equipa ao deixá-la com menos um jogador, numa altura em que o Boavista dava o tudo por tudo para chegar ao golo, ao ver um cartão absolutamente escusado.

OUTROS DESTAQUES

Luisinho: O único a conseguir pôr velocidade no jogo do Boavista, a aparecer bem na ala esquerda e a conseguir escapar entre os jogadores do Marítimo. Na primeira parte, só ele e Uchebo pareciam conseguir fazer alguma coisa para responder aos madeirenses. Fez um remate com efeito de arco que Salin segurou, mas a intenção era boa e podia ter sido perigoso.

Tengarrinha: Entrou ao intervalo e ajudou a equipa a apagar o adversário. Muito melhor o Boavista na segunda parte em relação à primeira. Não chegou ao golo do empate, mas merecia, e a entrada do médio do Boavista foi uma boa opção de Petit.

Marega: Esteve em todo o lado e bem! Correu atrás do esférico, criou jogadas e foi dos pés dele que saiu o cruzamento para o golo de Dyego Sousa. Tanto estava no seu espaço como recuou quando necessário e nos primeiros 20 minutos assustou a equipa da casa por duas vezes. Primeiro, ainda antes dos 5 minutos, com um cabeceamento que quase raspou o poste da baliza de Mika e depois, aos 16 minutos, numa arrancada pelos espaços da defesa do Boavista, chegou perto da linha final e tentou chapelar o guarda-redes da casa, que teve de se esticar bem para evitar o golo.

Dyego Sousa: Apesar de não ter feito um jogo vistoso, fez um cabeceamento certeiro e tem todo o mérito na forma como apareceu entre dois jogadores do Marítimo para responder à altura de um bom cruzamento de Marega e fazer o golo que valeu os três pontos.