[Artigo atualizado às 17h22]


O Sp. Braga acusou o Vitória de Guimarães de alterar a bancada onde os seus adeptos vão ver o jogo desta sexta-feira, da oitava jornada da Liga, o que considera «uma afronta».

Em comunicado, o clube bracarense diz ter tido conhecimento esta sexta de manhã, «após a reunião de preparação do jogo, que os seus adeptos seriam alocados na bancada norte superior» do Estádio D. Afonso Henriques, quando o previsto era ficaram na bancada norte inferior.

«A decisão, revelaram os responsáveis do Vitória SC na presença da diretora de competições da Liga Portugal, do coordenador dos delegados da Liga Portugal e da equipa de delegados nomeada para o encontro desta noite, que é de nível I, deveu-se à posição emitida pela força policial, obedecendo ao plano de segurança alegadamente definido pelo Comando Distrital da PSP», pode ler-se.

No entanto, o Sp. Braga assegura que «os responsáveis pela força de segurança esclareceram que a decisão de transferir os adeptos para a bancada norte superior pertenceu única e exclusivamente ao promotor do evento, no caso o Vitória SC, e foi comunicada à PSP na manhã desta quinta-feira, já depois das reuniões mantidas para delinear o plano de segurança».

Os bracarenses acrescentam ainda que «há, em todo este processo, atropelos gravíssimos ao protocolo e uma afronta inqualificável a todas as entidades que devem zelar pela realização de um evento desportivo desta importância» e que esta decisão «contraria os bilhetes emitidos para o clube visitante (destinados à bancada norte inferior) e vai contra a ficha técnica do Estádio D. Afonso Henriques, que resulta de vistorias levadas a cabo pela Liga Portugal com supervisão de todas as entidades de segurança» e constituiu «uma afronta ao Sporting de Braga», aos seus adeptos e à lei.

«Pela primeira vez em 15 anos, os adeptos do SC Braga serão colocados na bancada norte superior, que como se sabe não possui caixa de segurança. Ao arrepio dos bilhetes emitidos, da ficha técnica do estádio e do plano de segurança definido nas reuniões preparatórias», diz.

Os arsenalistas concluem que «todo e qualquer facto que decorra da decisão unilateral tomada pelo clube visitado só a este pode ser imputado, sendo imperioso que se compreenda a leviandade, a ligeireza e a falta de responsabilidade de quem assim atua, ao arrepio de todas as normas e regulamentos e colocando em causa o plano de segurança de um jogo de nível máximo».

Esta sexta-feira os sócios do Sporting de Braga aprovaram, em assembleia geral (AG), o relatório e contas referente à época desportiva 2017/18, que apresenta um resultado negativo de 656.000 euros. Por sua vez, o orçamento para a presente época desportiva foi aprovado com 96,4% dos votos a favor.

Mais tarde, o Vitória respondeu ao rival minhoto através de um comunicado no seu site oficial. Os vitorianos esclarecem que a alteração da bancada onde estarão os adeptos do Sp. Braga foi aconselhada pela PSP. 

«Perante tais factos [venda de 1500 bilhetes], os representantes da PSP manifestaram que a Bancada Norte Inferior – inicialmente indicada para colocação dos adeptos visitantes – não seria capaz de albergar a totalidade dos 1500 adeptos, após a delimitação com “faixas de segurança"», lê-se no comunicado.

O clube de Guimarães acrescenta ainda que a PSP ficou com a «posse de toda a informação necessária ao dimensionamento das forças de segurança" na primeira reunião entre as entidades, na terça-feira, e que a mudança de bancada foi norteada pela "segurança de todos os intervenientes e não por qualquer razão histórica ou de capricho suportado por interesses clubísticos».

Por último, o Vitória criticou a tomada de posição do Sp. Braga sublinhando que «não aceita», «nem nunca aceitará alimentar debates acessórios sem qualquer base justificável», que apenas pretendem «respaldar uma estratégia de vitimização com objetivos políticos bem evidentes».

Vitória e Sp. Braga defrontam-se esta sexta-feira às 21h15, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.