FIGURA: Tozé

Foi o único elemento do Vitória do processo ofensivo que não saiu do onze comparativamente com o jogo em Portimão. Inconformado, como é seu timbre, tentou jogar entre linhas e progredir com a bola. Cava e cobra o livre que adianta o V. Guimarães no marcador e foi o jogador com mais perfume em campo, estando sempre ligado à corrente.

MOMENTO: golo de Nuno Valente (m90+2)

Pontapé de canto do lado esquerdo, a defesa do V. Guimarães não consegue limpar o lance e coloca o esférico à entrada da área. Nuno Valente aproveitou a sobre completamente livre de marcação e com um gesto técnico irrepreensível marcou um golo vistoso. Um ponto saboroso para o Vitória de Setúbal.

NEGATIVO: demora sadina

O encontro não teve muitas paragens, pelo que o tempo de jogo foi considerável, mas a realidade é que cada reposição de bola para o conjunto sadino redundou numa pequena eternidade. O batedor da bola parada foi quase sempre alterado à última da hora, normalmente atravessando o terreno de jogo, e até os lançamentos foram retardados em demasia. Joel Pereira nos pontapés de baliza foi exemplo disso.

OUTROS DESTAQUES

Davidson

Uma das caras novas no onze do Vitória de Guimarães, o extremo foi dos mais mexidos no ataque. Não teve medo de ousar de arriscar no um para um. Está no principal lance de perigo dos vimaranenses no primeiro tempo e tentou várias vezes o remate.

Mikel

Com Semedo mais posicional, o nigeriano percorreu quilómetros e deu amplitude à equipa sadina. Muito forte na pressão, o médio fez vários desarmes e teve capacidade para auxiliar na tentativa de construção.

Sacko

Erro clamoroso na última jornada em Portimão a custar a derrota ao V. Guimarães. Manteve-se no onze e esteve sereno, demonstrando uma serenidade assinalável. Secou por completo Hildeberto e ainda se intrometeu no processo ofensivo.

Nuno Valente

Entrou a cinco minutos do fim e conseguiu ser determinante com um remate certeiro a dar um ponto à equipa de Lito Vidigal. No sítio certo atirou a contar.