Luís Filipe Vieira anunciou no decorrer do Programa Cristina, na SIC, que só vai tomar uma decisão sobre a sucessão definitiva de Rui Vitória na «próxima semana», mas deixou em aberto a possibilidade de continuidade de Bruno Lage. 

 «Já conheço o Bruno Lage há alguns anos. Teve uma boa prestação, vai continuar. A decisão final vão ter para a semana», começou por destacar antes de reforçar a mesma ideia. «No Benfica nunca há passagem. Para a semana vão ter essa curiosidade satisfeita», insistiu.

No decorrer da conversa com a patrona do novo programa da SIC, Luís Filipe Vieira falou nos vários nomes que têm sido apontados na comunicação social como possibilidades para treinador do Benfica.

Jorge Jesus é hipótese? «É meu amigo. Aqui não há hipóteses, a única hipótese é Bruno Lage. Quanto ao futuro não sei. Quem é que não gostaria de estar o Benfica? Não tem visto os jornais? Não sei quantos treinadores é que já falaram para o Benfica».

Luís Castro? «Ainda ontem o [Vitória] Guimarães falou no Luís Castro. Nunca houve interesse no Luís Castro».

José Mourinho? «Sou amigo dele. Quem é que não gostava de ter Mourinho? Se ele disser amanhã que sim, vem logo. O dinheiro não é problema para o Benfica. Se ele viesse, o Benfica em vez de ter 27 jogadores, tinha só 20 ou 21».

A fechar o assunto, o presidente do Benfica voltou a falar em Bruno Lage. «Ainda não pensei nisso. Se o Bruno irá até aos limites connosco? Vamos ver na próxima semana. Na próxima semana vai ficar tudo clarificado», voltou a destacar.

Quanto ao jogo da véspera, em que o Benfica venceu o Rio Ave por 4-2 depois de ter estado a perder por 0-2. «Quando estamos a perder fico sempre triste, mas minha vida não anda para trás por ver futebol. A perder por 0-2 ficamos sempre preocupados, mas depois gostei da reação da equipa», comentou.

Um jogo que também ficou marcado por um cântico de contestação a Luís Filipe Vieira, promovido por um grupo de adeptos organizado. No contexto da saída de Rui Vitória, o grupo cantou no final do jogo «Falta o Vieira». «Logicamente magoou. Não tenho de dar provas a ninguém do meu trabalho no Benfica. Se calhar é por ser muito simples, por falar a linguagem dos benfiquistas, do povo, se calhar foi por isso que ganhei quatro eleições», atirou ainda.