Maisfutebol

Luís Pedro nasceu em Luanda, filho de pai português e mãe angolana. Aos quatro anos veio viver para Portugal, mas dois anos depois já estava a caminho da Holanda. Foi em Maastricht que Luís Pedro iniciou a carreira futebolística. O primeiro clube foi o MVV, da cidade que deu nome a um tratado europeu, mas aos 14 anos chegou ao Feyenoord. Quatro anos depois deu-se a estreia na equipa principal, frente ao HCC Hardenberg, em jogo da Taça da Holanda. Roy Makaay marcou dois golos, mas o protagonismo foi todo para Luís Pedro, que também bisou. «Alguns meses antes já tinha dito ao treinador que ia marcar na estreia. Ele não acreditou», disse o jovem, que ainda demorou algumas horas a «aterrar». «Só pensava em ganhar. Só no dia seguinte é que me apercebi do que tinha feito», revela, em respostas sempre dadas na língua inglesa, pois o português já está «enferrujado».

Um talento à procura da atenção de Caçador e Queiroz

Luís Pedro é internacional sub-19 pela Holanda, mas não é a camisola laranja que quer vestir. O jovem, nascido em Angola mas filho de pai português, queria jogar na equipa das quinas. «Quando era novo disse à minha mãe que queria jogar por Portugal», disse o jovem ao Maisfutebol.

O avançado lembra que pode decidir «até aos 21 anos», e por isso deixa ainda o futuro em aberto, mas uma coisa garante. «Sinto-me português e um bocadinho angolano. Holandês não», assume. Jogar pela selecção angolana não é, porém, algo que tenha nos seus planos: «Não penso nisso.»

Espectador assíduo dos jogos da Liga portuguesa, e dos encontros das equipas lusas nas competições europeias, Luís Pedro revela que o clube da sua preferência é o F.C. Porto. Jogadores portugueses que mais admira? «Cristiano Ronaldo, claro», foi a resposta imediata. Nani e Quaresma surgiram depois, antes da despedida. «Xau. Obrigado», ouviu-se do outro lado da linha, agora em bom português.