Manduca

O avançado do Marítimo que deu duas vitórias á equipa nos últimos jogo não o conseguiu desta vez, mas teve na mesma papela preponderante, pelo que jogou e fez jogar a sua equipa. Só lhe faltou mesmo marcar e bem o merecia. Saiu sob um forte e justo aplauso e é já uma certeza neste Marítimo.

Leo Lima e Alan

Os dois brasileiros estiveram endiabrados na construção de jogo ofensivo. O primeiro pelas suas perigosas incursões como o apoio mais próximo ao ponta-de-lança. Quanto a Alan, «enganou» ou não o juiz da partida? Talvez o tenha feito, mas o golo que marcou de grande penalidade foi merecido e colocou justiça no marcador.

Tonel

O defesa central apanhou o jeito do seu colega Van der Gaag para marcar golos e abriu o caminho para a vitória da equipa da casa. O jovem defesa mostrou segurança e tranquilidade no meio do sector mais recuado da equipa, se bem que, com a vitória já garantida devia ter tido mais atenção a Cadú.

Hélder Rosário

O médio do Boavista, que teve de recuar mais tarde para o centro da defesa, lutou como ninguém no seu meio-campo e atirou uma boa cabeçada à barra. Acabou a central quando a equipa teve de sacrificar um defesa para arriscar o ataque e cumpriu bem a sua missão.

Carlos

O guarda-redes ex-Felgueiras fez a estreia absoluta na Superliga e não se saiu nada mal. Fez duas grandes defesas para canto a remates com selo de golo e só foi batido de grande penalidade, na qual não teve hipótese de defesa.

Árbitro

O «substituto» Paulo Baptista teve uma actuação com altos e baixos e com algumas dúvidas. Terá perdoado um passe de Cadú a William que seria livre indirecto na grande área e, no lance de Lucas sobre Alan estava perto e não hesitou, mas fica a dúvida. Em termos disciplinares tentou evitar os amarelos, mas uma mão de Toñito não era perdoável.