Paralelamente à mudança de nome, os insulares pretendem que as obras de melhoramento sejam concluídas o mais rápido possível, apesar da falta de financiamento, que as mantém paradas há mais de um ano.