Makukula regressa aos golos
Scolari voltou a chamar Makukula ao lote dos eleitos para a selecção portuguesa e o possante avançado deu-lhe razão. Na noite desta segunda-feira abriu caminho para a vitória, apontando um belo golo e perdendo ainda mais duas boas situações durante a primeira parte. Foi sempre perigoso e Ricardo Fernandes não o conseguiu travar.
Mossoró sempre em acção
Márcio Mossoró correu quilómetros. Não desiste de uma bola e teve também bons pormenores técnicos. Foi seu o lance do primeiro golo com um bom trabalho individual e uma excelente assistência para Makukula.
Van Der Linden e Ediglê de «betão»
Esta dupla de centrais do Marítimo já começa a ser conhecida pela sua eficácia e grande qualidade. Tanto no jogo aéreo como na marcação, Ediglê e Van Der Linden foram quase sempre reis e senhores, não dando hipóteses aos atacantes nacionalistas. Os locais pouco ou nada remataram durante toda a partida.
Wênio fez esquecer capitão Bruno
Não tem jogado muito. Apenas nas ausências de Bruno. Mas desta vez Wênio fez esquecer o capitão, não só pelo rigor táctico em termos defensivo no meio campo, mas principalmente porque resolveu o derby num belo tiraço à entrada da grande área.
Um deserto de ideias nacionalistas
Com muitos lesionados mas sem justificação para tão pouca produção. O Nacional quase não rematou à baliza de Marcos. Na primeira parte apenas o fez por duas vezes e esteve em branco quase a totalidade dos segundos 45 minutos. Só aos 76 minutos Juliano o fez e de forma fraca. Em termos defensivos também deixou muito a desejar e foi uma equipa muito desequilibrada. Nunca conseguiu atacar pelo flanco esquerdo e na segunda metade, Patacas também não teve tempo para grandes aventuras.