Sánchez Pizjuán, 4 de outubro de 2009. Alvaro Negredo leva a melhor sobre Albiol sobre a direita e cruza rasteiro para o segundo poste. Iker ainda está junto do primeiro quando a bola passa por si, encontrando-se logo depois com Diego Perotti. O buraco deixado descoberto na baliza é enorme, mas o guarda-redes acredita. Estica os braços, aproveita uma finalização que para qualquer outro dos mortais chegaria para festejar, e defende. Inacreditável!

Os andaluzes vencem nessa sexta jornada da liga espanhola, por 2-1. Navas marca o primeiro aos 33, Pepe empata aos 48, mas Renato, aos 66, garante mesmo os três pontos para os locais. Manolo Jiménez leva a melhor sobre Manuel Pellegrini, mas o chileno é o único dos dois que chega ao fim da época, conduzindo a equipa merengue à segunda posição. O Sevilha termina em quinto, já com Antonio Alvarez sentado no banco.

Sánchez Pizjuán, 17 de dezembro de 2011. O Real vence por 1-0, mas sofre. Jesús Navas bate Marcelo sobre a direita e cruza para o segundo poste. É uma finalização simples para Manu. Ou melhor, só não é porque do outro lado está o então melhor do mundo. Terá ou não pensado na defesa de dois anos antes, atira-se da mesma forma, acreditando no impossível. E volta a fazer o milagre. Um milagre agora do outro lado do campo, e com outros intervenientes.

José Mourinho leva a melhor por 6-2, com hat-trick de Ronaldo. Marcelino é despedido em fevereiro, e entra Michel. O Sevilha acaba em nono, a 50 pontos do Real Madrid (100), campeão e com vários recordes batidos. Messi marca 50 golos, Ronaldo 46. Casillas perde o Troféu Zamora para Victor Valdés.

Iker Casillas tem sido, ao longo da carreira, um fazedor de milagres. Não chega. Acusado de fragilidades sobretudo no jogo aéreo e alguma indolência nos treinos, Mourinho entrega o lugar a Adán um ano depois dessa segunda defesa fantástica. Após uma lesão sua, o treinador português contrata Diego López e passa este a ser o número um. Com Carlo Ancelotti, a condição apenas muda na Taça do Rei e na Liga dos Campeões, que conquista em Lisboa frente ao Atletico Madrid.

Só que a aura tinha-se esvanecido, e é no Porto que a vai recuperar.

Outras anatomias:

Peter Schmeichel, 26 anos depois de Gordon Banks

Bogdan Lobont: o romeno que se travestiu de Schmeichel em San Siro

A dupla-defesa impossível de Coupet em Camp Nou