Diack, que tem 82 anos e presidiu durante 15 anos à IAAF, está acusado pela justiça francesa de corrupção passiva e branqueamento agravado, por suspeitas de ter recebido dinheiro para encobrir os casos de doping no atletismo russo.