Os problemas começaram no terreno de jogo, com uma confusão generalizada entre jogadores, que motivou a intervenção dos elementos da segurança (do Orlândia).

 

Quando tudo parecia mais calmo esses mesmos seguranças foram à bancada, por indicação dos jogadores da equipa da casa, à procura de um adepto que tinha entrado em campo no momento da confusão.

 

Isso gerou uma reação dos adeptos do Corinthians, que avançaram em grupo na bancada e agrediram os seguranças, ao mesmo tempo que dezenas de espectadores subiam a bancada para fugir à confusão.

 

Só então apareceu a Polícia Militar, que estava no exterior do recinto, a acalmar os ânimos. O árbitro do encontro expulsou então três jogadores (dois do Orlândia e um do Corinthians).

 

O encontro terminou empatado a três golos, tal como na primeira mão. Houve lugar a um prolongamento, mas do qual não resultaram mais golos, o que ditou a passagem à final do Orlândia. Prevaleceu a melhor campanha na fase regular da prova, ao abrigo dos regulamentos.