Os insultos racistas ao futebolista do FC Porto, Moussa Marega, espoletaram esta segunda-feira a abertura de investigações e processos por várias entidades ligadas ao desporto, no sentido de apurar os indivíduos que participaram nos impropérios dirigidos ao avançado maliano.

O Ministério Público (MP) abriu um inquérito aos insultos racistas dirigidos ao autor do golo da vitória da equipa de Sérgio Conceição.

As imagens de videovigilância do Estádio D. Afonso Henriques estão também a ser estudadas pela Polícia de Segurança Pública (PSP), existindo uma task force responsável pela tarefa de identificar «o aparente elevado número de pessoas que participaram nesses cânticos racistas», informou o diretor nacional da PSP, Magina da Silva.

Em paralelo, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (CD da FPF), vai abrir um processo disciplinar ao episódio vivido no estádio do V. Guimarães. O relatório do árbitro e o do delegado da Liga mencionam os insultos racistas e, mais tarde, vai ser acrescentado o relatório policial.

LEIA AINDA: a reação do Sindicato dos Jogadores

Neste sentido, e incorrendo no artigo 113.º do Regulamento Disciplinar da Liga, o único a fazer referência a insultos racistas das bancadas, o V. Guimarães pode ser castigado de um a três jogos à porta fechada.

A Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto (APCVD) também abriu, esta segunda-feira, um processo contraordenacional aos insultos dirigidos ao jogador de 28 anos, que abandonou o relvado no jogo de domingo, ao minuto 70.