Chama-se Zabivaka e é a mascote do Mundial 2018, na Rússia.

A história não acaba aqui, porém.

Zabivaka é um lobo cinzento da Sibéria e vem de uma enorme família: tem quatro irmãos, cinco irmãs e vive com todos eles, juntamente com o pai e a mãe, mais alguns tios, tias e primos. Ao todo são 19 lobos cinzentos da Sibéria que vivem em família.

Nesta altura vale a pena dizer que o processo de criação da mascote do Mundial 2018 seguiu uma série de passos. Num primeiro, as crianças russas foram convidadas a entrar numa plataforma online e elencar a característica pessoal ou de carácter que gostavam de ver na mascote.

A partir daí foram selecionadas as dez características mais referidas e centenas de alunos de design foram convidados a pegar numa dessas características e a desenhar uma mascote que a refletisse.

Seguiu-se uma escolha de três mascotes finalistas por um júri formado por personalidades russas e por fim uma votação aberta a toda a gente para escolher o vencedor entre essas três finalistas.

No fim ganhou Zabivaka, o tal lobo cinzento da Sibéria, à volta do qual foi construída uma história.

Já sabemos, portanto, que vive no seio de uma enorme família, sendo ele o benjamim da família. Vale a pena referir também que é louco por futebol: uma paixão que lhe foi transmitida pelo pai.

Ora o pai foi um antigo jogador de equipas locais e passou bichinho do futebol ao filho mais novo, que dorme com uma bola e gosta de jogar até debaixo da mesa após o jantar, o que muito irrita a mãe. Faz torneios na escola, com os amigos, e faz com os irmãos jogos de cinco contra cinco.

Natural de Tyumen, na Sibéria, a 2500 quilómetros de Moscovo, está habituado a temperaturas de 50 graus negativos, gostava de fazer esqui e de jogar hóquei no gelo, mas sonha ser futebolista.

Gosta de jogar playstation, de comer borsch e grechka (pratos tradicionais russos) e que a mãe de lhe leia as histórias infantis do escritor Pavel Bazhov. Nunca larga os óculos que foram desenhados para ele por uma irmã louca por ciência e que o ajudam a focar a baliza quando remata.

Zabivaka? Prazer em conhecê-lo.

A HISTÓRIA DAS MASCOTES DOS MUNDIAIS

Willie

Mundial 66, em Inglaterra (um leão)

Juanito

Mundial 70, no México (um rapaz)

Tip e Tap

Mundial 74, na Alemanha (dois rapazes)

Gauchito

Mundial 78, na Argentina (um futebolista)

Naranjito

Mundial 82, em Espanha (uma laranja)

Pique

Mundial 86, no México (um pimento)

Ciao

Mundial 90, em Itália (um jogador feito com cubos)

Striker

Mundial 94, nos Estados Unidos (um cão)

Footix

Mundial 98, em França (um galo)

Spheriks

Mundial 2002, na Coreia do Sul e Japão (três extraterrestres feitos de partículas de energia)

Goleo VI

Mundial 2006, na Alemanha (um leão)

Zakumi

Mundial 2010, na África do Sul (um leopardo)

Fuleco

Mundial 2014, no Brasil (um tatu)

Zabivaka

Mundial 2018, na Rússia (um lobo)