O Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) considerou improcedente o recurso do Nacional à decisão do Conselho de Disciplina e confirmou a pena de o clube insular realizar um jogo à porta fechada, «nos termos do disposto no artigo 113.º do Regulamento Disciplinar (RD)» da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

O artigo enquadra «comportamentos discriminatórios em função da raça, religião ou ideologia».

«Os clubes que promovam, consintam ou tolerem a exibição de faixas, o cântico de slogans racistas ou, em geral, quaisquer comportamentos que atentem contra a dignidade humana em função da raça, língua, religião ou origem étnica serão punidos com a sanção de realização de jogos à porta fechada a fixar entre o mínimo de um e o máximo de três jogos», pode ler-se no artigo 113.º do RD.

O Nacional, oitavo classificado com oito pontos, recebe o Arouca, 13.º com três, no Estádio da Madeira, no Funchal, no domingo, a partir das 16:00, em jogo que vai ser disputado à porta fechada.