Manuel Pinho, treinador-adjunto do Trofense, que substituiu o castigado Tulipa, que não pôde estar no banco, em declarações no final da derrota (0-1) em Braga:

«O Trofense não morreu na praia. Isto ainda não acabou. Mas é verdade que não contávamos com esta derrota quando ela surgiu. Tivemos algum azar da forma como trabalhámos, os nossos atletas foram muito organizados, criámos a melhor oportunidade de golo através do David Caiado que não foi feliz e acabámos por sofrer um golo no fim. Nós jogámos com as armas que temos. Fizemos um encontro controlado e que não permitisse ao Sp. Braga chegar com velocidade à nossa baliza. Não me parece que o Sp. Braga tivesse jogado menos, uma equipa joga o que a outra deixa. Mesmo quando se trata de um adversário como o Sp. Braga, que é dos mais fortes da nossa Liga. Apesar disso, ainda não morremos, os atletas do Trofense vão lutar enquanto tiverem forças. Podíamos ter mais pontos, acho que não tivemos alguma sorte em alguns momentos, mas ainda há muitos pontos até ao fim para discutir e vamos bater-nos por todos. Os adversários são equipas com as quais nos vamos bater sempre.»