Nélson aposta forte num regresso a curto prazo à Selecção Nacional. Depois de ter feito todo o percurso nas camadas jovens, o lateral soma apenas uma internacionalização pela selecção principal. Foi chamado, pela primeira vez, por Scolari, aos 23 anos, mas não chegou a jogar e acabou por estrear-se apenas em 2009 pela mão de Carlos Queiroz, num particular frente à África do Sul (2-0) antes do Mundial-2010. Agora que está de regresso ao principal palco da liga espanhola, com a camisola do Osasuna, e já sem a concorrência de Miguel e Paulo Ferreira, promete dar luta para chamar a atenção de Paulo Bento.

Aos 27 anos a selecção continua a ser um sonho?

- Sempre tive esse pensamento na minha cabeça, é um objectivo que não vou deixar cair. Fui chamado pelo Scolari com 23 anos, era um jogador imaturo, mas consegui chegar lá numa altura especialmente difícil em que a selecção tinha jogadores de qualidade como o Bosingwa, Miguel e Paulo Ferreira para a mesma posição. Hoje sou um jogador mais maduro, mais completo, por isso continuo a acreditar. Sei que posso ter um futuro risonho.

«Este ano vai ser importante para mim»

Assistiu ao recente Portugal-Argentina?

- Não vi em directo, vi depois em diferido, mas vi um jogo bem disputado, a Argentina ganhou, mas nunca esteve por cima de Portugal. Estou a gostar muito da forma como a selecção tem jogado os últimos jogos.

Acha que teria mais possibilidades de chegar à selecção se tivesse ficado no Benfica? O João Pereira está no Sporting e tem sido opção

- O João tem crescido imenso nos últimos anos. Estas chamadas são um prémio para ele, um prémio merecido pelo que tem feito. Tem feito bons jogos e acho que é por isso que tem sido chamado, não por ter mais ou menos visibilidade. Perdi um pouco de espaço quando estive a jogar na II Liga, aí sim, mas no Osasuna tenho tanta visibilidade como se estivesse a jogar em Portugal. Lembro-me que no meu primeiro ano em Espanha fui logo chamado à selecção. Não me preocupa a visibilidade, quero jogar todas as semanas e manter um nível alto. Jogar por Portugal é um sonho.

Esteve perto do Sporting no início da presente temporada?

- Falou-se de várias hipóteses, houve abordagens, mas estou feliz no Osasuna. Tinha outras propostas, mas penso que optei bem, aqui sinto que amadureci. Estou a jogar num campeonato competitivo, com um treinador experiente, só tenho de dar o máximo e aproveitar.

Qual a sua situação contratual?

- Tenho mais dois anos de contrato com o Bétis, o Benfica tem vinte por cento do meu passe, mas o Osasuna tem opção de compra por 6 milhões de euros. Mas o futuro depende sempre de mim.

Mas quais são as suas expectativas para a próxima época?

- A minha ambição, neste momento, é jogo a jogo, semana a semana. Sei que no futebol a minha carreira depende 99 por cento de mim, é assim que penso e só assim posso chegar mais longe.