Maisfutebol

«Isto nunca aconteceu na minha carreira. Jamais faria algo assim a um companheiro de trabalho. Infelizmente, são coisas que acontecem no futebol, inesperadas. Fui à bola, mas o pé de apoio dele ficou para trás», explica Ney.

O lateral brasileiro não se apercebeu de imediato da gravidade da lesão, mas depois de ver Hulk no chão não hesitou em chamar a atenção do banco visitante. «Fui o primeiro a chamar o médico do F.C. Porto [Nelson Puga]. Na altura, pedi logo desculpa a todos e o próprio Lisandro disse-me para estar tranquilo», recorda.

No final da eliminatória, Ney dirigiu-se ao balneário do F.C. Porto, onde assegurou ter recebido palavras de conforto de Hulk. «Ele disse-me: Fica tranquilo rapaz! Acontece na nossa profissão. Compreendeu que não houve maldade da minha parte», esclarece o jogador do Estrela, que reitera não ser «maldoso» e estar de «consciência limpa».

Ney lembra, inclusive, que tanto ele como Hulk estavam inicialmente animados, depois de no jogo anterior [para o campeonato, no Dragão] terem descoberto que não moram muito longe um do outro no Brasil. «No início até estávamos na brincadeira, por causa de eu estar na lateral direita. Falámos um bocado e desejámos bom jogo um ao outro», conta o lateral, que está a ultrapassar o sucedido «da melhor forma possível», concentrando-se no trabalho.