Nas páginas interiores o título é «Catástrofe». «Aventura na Liga Europa acabou no último minuto do tempo regulamentar, após um pontapé monstruoso de Kardec», resume o jornal, que recorre a alguma ironia para descrever uma exibição pobre do Marselha. «Houve jogadores que falharam, como o capitão Niang e também Lucho. Oportunidades do Marselha? O árbitro não assinalou um penalty sobre Di María e Cardozo atirou ao poste.»

«Se o golo de Niang roçou o milagre, o que se seguiu demonstrou o poder do Benfica. O OM tinha a vantagem, mas não tinha o mesmo nível do líder do campeonato português. É tão simples como isto», conclui o artigo, estendendo depois o tema para o campeonato francês, quando o Marselha se prepara para um jogo decisivo com o Lyon. «Terá o mesmo nível dos dois quartos-finalistas da Liga dos Campeões?», questiona o jornalista, referindo-se a Lyon e Bordéus.

O adeus do Marselha não é manchete no LEquipe. O tema principal da primeira página vai para a violência entre claques do PSG que levou à morte de um adepto. «Que fazer do PSG?», questiona o título.