Annie Hallagressorpor acasoa cena

Antonin Panenka

cavadinhacucchiaio

Panenka de PanenkaPanenka de ZidaneBasta uma pesquisa apressada no Youtube para nos depararmos com Panenkas perfeitos, Panenkas ridículos, antologias de Panenkas gloriosos, compilações de Panenkas grosseiros, e remixes de Panenkas vitoriosos, ou falhados, para lá de uma excelente revista que o promoveu a título.

E isto quer dizer apenas uma coisa: que nos últimos anos tem havido Panenkas a mais, desde os tempos em que as réplicas, suficientemente espaçadas, de Totti, Djalminha, Postiga ou Loco Abreu, entre outros, serviam para alimentar a chama e deixar entreaberta a porta da loucura.


Agora, o que era loucura a conta-gotas transformou-se num acessório. Um pin supostamente irreverente, produzido em massa, para pendurar ao peito e exibir nos desempates. Um cliché para a rebeldia autorizada, como as t-shirts do Che em festivais. fashion victim 

penaltis à Panenka

You're No Fun Anymore