em Solna

Vejam o lance com atenção, está lá tudo. Em especial a capacidade de transformar as contrariedades em algo novo: o primeiro toque de Moutinho, na receção ao passe de Ronaldo, é imperfeito e deixa a bola ficar para trás. Isto obriga-o a travar o movimento e a resolver - pela inteligência e pela parábola - aquilo que não conseguiria resolver pelo génio ou pela velocidade. Tudo aquilo que nunca será é exatamente o que faz dele melhor jogador.

é a prova de que não é preciso ser-se génio para fazer arte. pittura é cosa mentale Ver Moutinho jogar assim -