Mas há outras razões para elogiar o Paços e esta é uma boa altura. Eis algumas.

1. Assim de repente, não me recordo do nome do presidente (fui ao site ver. Fernando Sequeira. Está bem). Isso deve querer dizer que tem feito bem o seu trabalho, sem alarido. Duas coisas raras.

2. No tempo em que o futebol português era auditado, lembro-me que o Paços de Ferreira era dos poucos que davam lucro. Em 2000/01 foram 800 mil euros (um pormenor: o Alverca também teve resultados positivos, o que visto daqui é estranho.). Quer dizer, o clube deve ser bem gerido, não me recordo de notícias sobre salários em atraso e incumprimentos. Admito que seja falha minha, mas acho que não, é mesmo um clube que paga o que promete.

3. Depois, o Paços chegou à primeira divisão e teve a coragem, pela mão de José Mota, de querer jogar bem. E conseguiu-o. Era a equipa de Rafael e amigos, rapazes que iam a casa dos grandes e dava gosto vê-los.

4. Por último, o Paços mantém o bom hábito de procurar jogadores nas equipas das divisões inferiores. Normalmente escolhe bem, em Portugal ou no estrangeiro.

No fundo, todos somos um bocadinho do Paços, símbolo do clube pequeno mas honrado.

Dito isto, o Paços merece amplamente a festa do Jamor. Divirtam-se.