A FIGURA: André Santos

O Arouca entrou a perder e durante a primeira parte até esteve por baixo no jogo. Soube, ainda assim, manter a serenidade e reagir já no final da primeira parte e sobretudo depois do intervalo ganhou o meio-campo. André Santos foi decisivo a desarmar e a transportar jogo… E ainda lhe coube o papel de herói arouquense, quando aos 65 minutos, servido por Kuca, rematou em jeito à entrada da área para um golo que valeu a quebra de uma terrível sequência de sete derrotas consecutivas da sua equipa.

O MOMENTO: Minuto 90. Bomba ficou um palmo acima

Que Welthon é especialista em marcar livres já se sabe… Mas tanto? Nos momentos finais da partida o avançado brasileiro quase levantava o estádio com remate fortíssimo que quase lhe valeu um dos golos da época. Uma bomba a trinta metros da baliza saiu um palmo acima da barra – e a bola parece ter sofrido um ligeiro desvio, que o árbitro não viu. O brasileiro falhou o alvo por centímetros ao cair do pano.

PAÇOS-AROUCA, 1-1: crónica do jogo

 

OUTROS DESTAQUES:

Marco Baixinho

Atrás esteve quase irrepreensível. Seguro na marcação, limpou a área pacense com tranquilidade em quase todas as ocasiões. Lá na frente, foi decisivo no lance do golo, quando subiu no terreno para criar o desequilíbrio necessário na defensiva contrária. Regular, como habitualmente. Boa exibição.

Bolat

Se na outra baliza Defendi foi mostrando intranquilidade a espaços, na do Arouca Bolat foi importante para que a sua equipa saísse com um ponto de Paços de Ferreira. O guarda-redes turco-belga foi decisivo em vários lances, como nos remates de Medeiros (23’) ou Pedrinho (71’).

Kuca

Entrou para o lugar de Sami e mexeu com o jogo. O Arouca atacou sobretudo pelo lado esquerdo na segunda parte sobretudo por culpa do cabo-verdiano, que esteve no lance do golo arouquense, na assitência para André Santos.