Paulo Bento, treinador do Sporting, esteve no «Jornal das 6» da TVI24, e falou sobre a polémica em torno da final da Taça da Liga. Lucílio Baptista, árbitro da partida, voltou a merecer críticas, mas Vítor Pereira também foi visado:

«Premeditação não sei dizer se houve. Não me parece ter sido um erro inconsciente. Quem marca um penalty naquelas circunstâncias e até à execução tem tantas dúvidas, não pode marcar.»

Veja o vídeo aqui

«Não sei se tinha a consciência tranquila quando marcou a grande penalidade. Caso contrário não tinha de consultar mais ninguém. Pelo que os jogadores comentam, pediu ajuda a outras pessoas. Inverteu a lógica do jogo. Tirou um troféu, prestígio e dinheiro. Não há nenhuma declaração de nenhum elemento da equipa de arbitragem, nem do chefe deles. Tenho a certeza que a situação vai passar impune.»

«O João (Moutinho) diz que ainda houve um pedido a outra pessoa, que não sabemos quem é. Muito possivelmente seria alguém de fora. Devíamos sabe-lo. Para amenizar um pouco a situação devia haver um assumir das responsabilidades de quem dirigiu o jogo, e de quem os comanda. É fácil falar antes dos jogos. Depois só estiveram os treinadores e os jogadores. Os outros fugiram.»

«Os treinadores, quando chegam à flash interview, estão sob o stress de noventa minutos. O árbitro está nas mesmas condições. Se a ideia era que ele falasse antes, por que não fala depois? Ainda para mais foi interveniente, de uma forma negativa. Foi um momento que mudou tudo.»

«Não me revejo nisto. Não comento nomeações, comento as arbitragens, pois desde a primeira hora disse que o ia fazer. A administração também não o faz. Não me revejo nesta situação. Não quero isto para mim, nem quero nem peço isto para o Sporting.»

«Mais grave foi depois tentar tapar, com algumas situações, o erro anterior. Querer enganar aqueles que estão no estádio, quer os intervenientes quer os espectadores. Tenho poucos anos de treinador mas muitos de futebol. A mim não me conseguem enganar.»

«Não tenho problemas em ser castigado, mas não abdico de dizer a minha verdade. Que tiver capacidade e coragem para me desmentir, que o faça. Se tiverem, eu aceito o castigo. Caso contrário digo a verdade. Quem deve ser castigado é quem faz prevalecer a mentira.»

«O Sporting nada faz para que possa ter alguma coisa dos árbitros. Queremos é que não nos prejudiquem.»