Paulo Sérgio e Carlos Brito, treinadores de Paços de Ferreira e Rio Ave, consideram justo o desfecho do encontro entre as duas equipas. A formação pacense venceu por 2-0 o encontro da 20ª jornada:

Paulo Sérgio:

«Com a entrada do Leandro Tatu ganhámos capacidade ofensiva. Na altura não me interessava ter o Dedé solto no meio-campo. Fomos quem mais fez para ganhar. Acumulámos situações de golo, frente a uma boa equipa. Fomos vigilantes, e parámos as transições. O mais importante são os três pontos.»

[sobre o jogo das meias-finais da Taça de Portugal, com o Nacional] «É um jogo com outra estória, com duas mãos. A partir de hoje vamos pensar nesse jogo. É um feito histórico para o nosso clube.

Carlos Brito:

«Na primeira parte o resultado fala por si. Anulámos alguns dos factores que fazem do Paços uma equipa complicada, mas faltou-nos sequência. Era preciso fazer algo mais. Na segunda parte chegámos mais vezes com perigo à área contrária. Devíamos ter feito muito mais para vencer. A equipa soltou-se mais, depois de sofrer os golos. A nossa luta vai ser até ao fim.»

[elogios ao trabalho da equipa de arbitragem, liderada por Olegário Benquerença] «Assistiu-se a uma excelente arbitragem. Quase não se deu por ele. Digo isto com verdade.»