Luís Figo descarta qualquer hipótese de ser candidato à presidência da Federação Portuguesa de Futebol nas próximas eleições, que já estão anunciadas mas ainda não têm data. O antigo internacional português mostra alguma mágoa relativamente a polémicas recentes em que esteve envolvido, e por isso vai dizendo que só regressaria se quisesse ter mais problemas.

«Caso Queiroz»: Figo esteve na federação

«Estou um bocado queimado em relação a Portugal, pelos últimos acontecimentos relativos à minha pessoa. Quando quiser mais problemas, regresso a Portugal», disse o dirigente do Inter, em visita a Setúbal, no âmbito de uma iniciativa da fundação que criou. «Não passa pelos meus objectivos, neste momento, ser presidente do que quer que seja em Portugal», acrescentou ainda, confrontado com o facto de ser visto por muitos como um bom sucessor de Gilberto Madaíl.