Bernardo Silva recebe a TVI/Maisfutebol em Manchester para uma conversa descontraída. Com o esquerdino do City tem mesmo de ser assim. O futebol dele é, aliás, o reflexo da personalidade extrovertida e sorridente. 

Bernardo responde a tudo sem hesitações, como se soubesse que o sentido do ataque é está sempre na resposta mais rápida. Fala muito do Benfica, naturalmente, e até surpreende ao afirmar que há uns meses seria inimaginável ver o emblema da Luz a lutar pelo título em abril. 

Aos 24 anos, Bernardo Silva está a fazer uma temporada fulgurante em Inglaterra e a apenas três jogos de chegar aos 100 com a camisola Citizen. É uma das escolhas preferenciais de Pep Guardiola e, muito provavelmente, aquele que mais vezes foi elogiado publicamente pelo treinador espanhol. 

Nesta parte da conversa fala-se só da Seleção Nacional e dos objetivos de Bernardo com as quinas ao peito. 

LEIA TAMBÉM: 

PARTE I: «Há uns meses não imaginava o Benfica a lutar pelo título»

PARTE II: «No Monaco tornei-me um homem a jogar»

TVI/Maisfutebol – Falemos sobre a Seleção Nacional. A Liga das Nações é um grande objetivo e está aí a chegar.

Bernardo Silva – Jogamos em casa, com os nossos adeptos. Queremos dar-lhes uma grande alegria. Queremos ganhar a prova, mas a meia-final com a Suíça será muito difícil.

TVI/MF – O arranque para a qualificação não correu bem. O que tem a Seleção Nacional de fazer para corrigir estes dois empates?

BS – Foi uma desilusão para nós. Nos últimos anos a seleção habituou os adeptos a ganhar. Empatar dois jogos em casa nunca é bom e queríamos fazer melhor. O que temos a corrigir? A nível defensivo a equipa esteve bem, parou muito bem os contra-ataques adversários. Tivemos sempre mais bola, mas com bola não conseguimos criar dor ao oponente. Nunca soubemos agredir muito a Ucrânia e a Sérvia. As defesas deles sentiram-se confortáveis a defender contra nós. Mas se correr tudo bem vamos qualificar-nos para o Europeu.

TVI/MF – Sente que os adeptos olham para si como um futuro líder da Seleção Nacional, como O grande nome?

BS – Quero ser importante e dar o meu contributo, mas temos uma seleção fortíssima e acho que juntos conseguiremos fazer de Portugal uma das melhores seleções mundiais. Eu olho assim para a seleção, mas quero ter um papel importante, claro. Líder em campo? Todas as equipas têm vários líderes. Serei mais um a tentar ajudar a seleção.  

TVI/MF – A Seleção Nacional pode conquistar mais títulos? É uma possibilidade clara?

BS – Obviamente que sim. Só ganhámos um título grande, mas temos jogado contra seleções cujos países têm cinco ou dez vezes a dimensão de Portugal. O que temos conseguido fazer e formar é fantástico. Vamos continuar a ter seleções fortíssimas e a lutar por títulos.