Gauck, que é um presidente politicamente independente e um antigo dissidente da Alemanha comunista, ainda não fez nenhuma visita oficial à Rússia desde que foi eleito e tem criticado repetida e publicamente o défice democrático naquele país.

Num acontecimento importante como os Jogos Olímpicos de Inverno, volta a condenar os abusos dos direitos humanos que garante que se praticam naquele país, particularmente através da perseguição política e da repressão dos direitos dos homossexuais.