O pentacampeão do Mundo repetiu o triunfo de 2007, quando a prova também pontuou para o WRC, e fez o pleno de triunfos em quatro provas disputadas no Mundial, cuja classificação de pilotos lidera, com 40 pontos, mais 10 do que o segundo classificado, o finlandês Mikko Hirvonen, que foi também segundo no rali, a 24,3 segundos de Loeb.

Na terceira posição, a 1.45,4 minutos, terminou o espanhol Daniel Sordo (Citroen), enquanto o quarto e o quinto postos foram para os irmãos noruegueses Petter (Citroen Xsara WRC) e Henning Solberg (Fordo Focus WRC), respectivamente, a 2.44,6 e 5.46,3 minutos.

No último dia de prova, Sébastien Loeb venceu os dois primeiros troços da terceira tirada, aumentando a vantagem sobre Hirvonen e, depois de se impor nas especiais da manhã (Loulé 1 e São Brás de Alportel 1), abrandou um pouco o ritmo, permitindo que o finlandês da Ford fosse o mais rápido na segunda passagem pelos dois troços.

O português Armindo Araújo (Mitsubishi Lancer Evo IX) terminou o rali no nono posto da geral, a 22.18,5 minutos de Loeb, resultado que lhe permitiu ser o melhor português, vencer a sua primeira prova do campeonato do Mundo de Produção (PWRC) e ascender à liderança do mesmo. Araújo teve depois a consagração final na superespecial de encerramento no estádio Algarve, sendo ovacionado por cerca de 25 mil pessoas.

Vítor Pascoal (Peugeot 207 S2000) foi o primeiro classificado entre os pilotos do campeonato nacional de ralis, com o 14º posto da geral.