«Os dias de glória estão de volta», ouve-se nesta promoção oficial do WRC ao Rali de Portugal 2015.

 

Necessariamente diferente. Igualmente belo e apaixonante, espera a organização. Mais seguro, no fundo, sem perder o espírito de competição e a euforia local que conseguia colocar no dia do RallySprint de Fafe (prova que se realizava anualmente como «aquecimento») mais gente do que em todo o Rali de Portugal no Algarve.

 

A edição de 2015 do Rali de Portugal, que coloca um ponto final em oito edições no Sul, não terá todos os troços míticos que fizeram história nos anos 70 e 80. Arganil, por exemplo, fica de fora.

 

Mas há Fafe/Lameirinha e Marão, embora em zonas diferentes. Vários dos troços utilizados outrora foram alcatroados e impedem o regresso das máquinas do WRC.

 

Também elas diferentes do passado, claro está. A evolução tecnológica acompanha o mundo dos motores e a essa, os portugueses terão de dar outra resposta evolutiva: segurança.

 

O problema maior do Rali de Portugal no passado será o ponto chave desta edição. Eventuais falhas poderão significar o adeus da prova. A FIA ficou encantada com a multidão que esteve em Fafe em 2013, ano em que Jean Todt esteve no evento. Sugeriu o regresso ao Norte e o ACP, com vontade de não perder o comboio do WRC, fez o possível para que se realizasse.

 

Em 2015 sai mesmo para a estrada, mas não sem polémica, depois da retirada do apoio do Turismo de Portugal ao evento. O Estado separou o corte da mudança para o norte, mas não caiu bem nos municípios que acolhem a prova. Nem no ACP.

 

De qualquer forma, o Rali está na estrada e só no final poderá fazer-se o balanço. Até lá, o melhor é…desfrutar.

 

Porquê? Há vários motivos.

 

- Fafe, claro. É o prato principal, não haja dúvidas. O Rali tem, basicamente, uma especial forte por dia, mas Fafe, no domingo, com direito a Power Stage na segunda passem, é o grande atrativo. Espera-se a maior enchente de todo o Rali. A título de exemplo, o RallySprint costumava juntar, só num sábado de tarde, mais de 100 mil pessoas!

 

-Ponte de Lima e Marão. Se Fafe é o ponto forte do domingo (e de todo o Rali), sexta-feira e sábado também têm os seus atrativos. Na sexta-feira as máquinas do WRC andarão pelo alto Minho, com especiais em Ponte de Lima, Caminha e Viana do Castelo. A primeira é a mais interessante das três. No sábado, se quiser ver in loco, opte por Marão. Não é o mesmo troço de outros anos, mas promete, igualmente, dificuldades para os pilotos. Fridão, até por ser a maior classificativa (mais de 37km), também promete.

 

- Partem todos do zero. Se é verdade que a Volkswagen é a favorita, atendendo ao que tem sido o WRC este ano, e nos anteriores, também é certo que este será, provavelmente, o Rali mais desconhecido da temporada. Os troços são praticamente todos novos para todos os pilotos, que até realizaram reconhecimentos em todos eles, algo que não é habitual. Perceber como vão reagir os pilotos ao desconhecido é outro dos grandes atrativos.

 

- Ogier vai atrás de Markku Allen. Com quatro vitórias nas últimas cinco edições do Rali de Portugal, Sebastien Ogier, líder do Mundial e atual biocampeão do mundo, vai tentar igualar o feito do finlandês Markku Allen que é o recordista de vitórias, com cinco triunfos. E estrear-se a vencer a norte, claro.

Todos os vencedores do Rali de Portugal

 

- Latvala, Sordo, Kubica… Há pilotos mais cerebrais e outros mais virados para o espetáculo. Jari-Matti Latvala, por exemplo, é conhecido por ser dos que mais arrisca, o que nem sempre lhe traz bons resultados. E precisa de um bom resultado em Portugal, pois o arranque do Mundial não lhe está a correr de feição, somando apenas 19 pontos. Robert Kubica é outro piloto a ter em conta, pois já se sabe que o ex-F1 é capaz do melhor e do pior. Dani Sordo terá, provavelmente, o maior apoio entre os pilotos WRC. Espera-se uma invasão espanhola ao norte do país. Motivação não lhe irá faltar. Atenção ainda a Mads Ostberg, que já venceu o Rali de Portugal, e é segundo no Mundial a 33 pontos de Ogier. Mas o início foi mau com um capotamento no shakedown de Baltar…

 

- Citroen iguala Lancia? Se Mads Ostberg ou Kris Meeke vencerem o Rali de Portugal (ou o menos provável Khalid Al Qassimi), a Citroen chega ais oito triunfos na prova, igualando a Lancia que ocupa, há largos anos, o trono. A Volkswagen, que venceu os dois últimos, é, contudo, a favorita a chegar ao terceiro triunfo, juntando-se, assim, a Audi e Mitsubishi.

 

- Procure os pilotos portugueses. A prova não conta para o Nacional de Ralis, mas haverá 17 pilotos lusos na estrada. Bernardo Sousa (Peugeot 208 T16 R5) é o único com objetivo definido de conseguir um grande resultado, por estar inserido no WRC2. Esteja atento às performances de Pedro Meireles, campeão nacional, para além do atual líder do campeonato José Pedro Fontes (Citroen DS3 R5). Há ainda Miguel Campos, Ricardo Moura, Miguel Jorge Barbosa, João Barros ou João Fernando Ramos, o piloto/jornalista.

 

HORÁRIO COMPLETO DO RALI DE PORTUGAL 2015:

 

Sexta-feira, 22 de maio

 

Esp. 2 – Ponte de Lima (9h40)

Esp. 3 – Caminha (10h25)

Esp. 4 –Viana do Castelo (11h15)

Esp. 5 – Ponte de Lima 2 (14h50)

Esp. 6 – Caminha 2 (15h35)

Esp. 7 – Viana do Castelo 2 (16h25)

 

Sábado, 23 de maio

 

Esp. 8 – Baião (8h54) *** Direto RTP1

Esp. 9 – Marão (9h35)

Esp. 10 – Fridão (11h)

Esp. 11 – Baião 2 (14h40) *** Direto RTP2

Esp. 12 – Marão 2 (15h20)

Esp. 13 – Fridão 2 (16h50)

 

Domingo, 24 de maio

 

Esp. 14 – Fafe (8h05) *** Direto RTP 1

Esp. 15 – Vieira do Minho (8h50)

Esp. 16 – Fafe 2/Power Stage (11h) *** Direto RTP2

Tudo sobre o Rali de Portugal 2015 no Autoportal