«Fosse eu um sonhador, não teria imaginado algo tão grandioso e belo. Quem faz, do prazer, arte e, da arte, profissão só pode ser um privilegiado. E mais: ver a sua arte ser reconhecida em vida por uma multidão de apaixonados é puro despertar no paraíso. Caso tivessem tido a oportunidade, Picasso, Leonardo, Mozart e Vincent Van Gogh teriam optado pelo fascínio do futebol para exercer o talento que possuíam»

«Dr.» SÓCRATES, antigo craque brasileiro de Corinthians, Flamengo e Santos, falecido há três anos, sobre o livro de Paulo André

Que os futebolistas não são todos iguais, isso já tínhamos percebido há muito. 

Mas, de vez em quando, aparecem casos excecionais: daqueles que nos fazem pensar que um jogador de futebol pode mesmo ter uma ligação especial com áreas que pareciam vedadas a quem faz «da bola» o seu modo de vida.

Um pouco como no filme que, há precisamente 20 anos, adaptou a obra de Jane Austen (e deu o óscar de melhor atriz a Emma Thompson e de melhor atriz secundária a Kate Winslet), o protagonista deste capítulo de «Mundo Brasil» revela um jeito muito próprio de «Sensibilidade e Bom Senso». 

Paulo André, 31 anos, defesa-central do Cruzeiro, líder do «Bom Senso Futebol Clube» (movimento que reivindica melhores condições laborais e profissionais para os futebolistas brasileiros e tem enfrentado o poder da CBF), apreciador de literatura, xadrez e pintura, é, a toda a linha, um caso de exceção.

Central com pergaminhos no futebol brasileiro, Paulo André é muito mais que um jogador de futebol: é escritor, artista plástico e tem uma consciência social que já o levou a criar um instituto com o seu nome.

E publicou, há quatro anos, o livro «O Jogo da Minha Vida - Histórias e Reflexões de um Atleta», escrito durante o Brasileirão 2011, no qual Paulo André apresenta sua faceta de escritor, na tradição de outro pensador do futebol, Sócrates, que deixou no livro o depoimento que abre este texto.  

 

QUANDO O «BOM SENSO» AFASTOU PAULO ANDRÉ DO BRASIL

 

O Movimento Bom Senso Futebol Clube reúne mais de mil futebolistas brasileiros e foi lançado no final de 2013. Além de Paulo André, tem como principais líderes figuras do futebol brasileiro como Juninho Pernambucano ou Rogério Ceni. E tem como lema: «Por um futebol melhor para quem joga, para quem torce, para quem transmite, para quem patrocina, para quem apita».

BOM SENSO FC, UMA IDEIA CORAJOSA

 

O Instituto Paulo André é outro feito do percurso invulgar de Paulo André.

Fundado em 15 de fevereiro de 2011, o  Instituto Paulo André é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada para proporcionar às crianças e adolescentes experiências desportivas e culturais. Com sede em Campinas, terra natal do central do Cruzeiro, o foco do IPA está em promover medidas socioeducativas para a população da Região Metropolitana de Campinas que se encontra em vulnerabilidade social.

 

Com cerca de 250 jogos oficiais na carreira, Paulo André já foi campeão do Mundo e campeão sul-americano de clubes, pelo Corinthians. Formado no São Paulo, passou também por CSA, Águas de Lindóia, Guarani, At. Paranaense, Le Mans (França), Corinthians (seis anos com fases de grande sucesso), Shanghai Shennua da China e agora Cruzeiro.

OS MELHORES MOMENTOS NO CORINTHIANS

 

O perfil invulgar de Paulo André até já o levou a ser entrevistado por Marília Gabriela, no prestigiado programa «De Frente com Gabi», em que geralmente são convidados intelectuais, escritores ou músicos.

PAULO ANDRÉ NO PROGRAMA DE MARÍLIA GABRIELA NA SBT:

 

 

O regresso ao Brasil, pela porta grande

Depois de ter sido o melhor central do estadual paranaense, em 2006, Paulo André protagonizou transferência para o Le Mans, de França. O regresso ao Brasil deu-se dois anos e meio depois, no início de 2009, no arranque de seis no anos no Corinthians. 

Pelo meio, além do título mundial de clubes e da Libertadores, e do Brasileirão 2011, Paulo André foi criando a noção de que muito haveria a melhorar no futebol brasileiro, sobretudo no plano da organização dos calendários, das competições e dos direitos dos jogadores em relação aos clubes e ao poder da CBF.

Nascia o «Bom Senso FC». O impacto foi tal que Paulo André começou a ser olhado com desconfiança pelos todo-poderosos do futebol brasileiro. «Passou a ser o jogador mais odiado pela CBF», escreveu o jornalista Cosme Rímoli, no «Esportes R7».

A mudança para a China, em pleno clima de contestação do Bom Senso FC, foi encarada como uma espécie de «exílio» para Paulo André.

Mas o Cruzeiro, bicampeão brasileiro, surpreendeu ao contratar Paulo André.  « Nem ele mesmo esperava voltar para o futebol brasileiro como jogador. Tinha plena consciência de quem o contratasse estaria desafiando a CBF. Vários empresários e dirigentes comentavam entre si que não valeria a pena contratá-lo. Não pelo seu futebol seguro, firme. Zagueiro experiente, líder de qualquer grupo, inteligente. Vivido, aos 31 anos. O grande problema de Paulo André era outro. A sua indignação contra os desmandos do futebol brasileiro fez possível a criação do Bom Senso FC», comenta Cosme Rímoli.

B.I.

PAULO ANDRÉ

Nome: Paulo André Cren Benini

Posição: Defesa-central

Idade: 31 anos

Data de nascimento: 20 de agosto de 1983 

Naturalidade: Campinas, São Paulo (Brasil)

Altura: 1,89 metros

Percurso como jogador: São Paulo (1998-2001), CSA (2001-2002), Águas de Lindoia (2002-2003), Guarani (2003-2005), Atlético Paranaense (2005-2006), Le Mans, França (2006-2009), Corinthians (2009-2014), Shanghai Shennua, China (2014), Cruzeiro (2015)   

Títulos conquistados: campeão brasileiro 2011, pelo Corinthians; campeão sul-americano Libertadores 2012, pelo Corinthians; campeão do Mundo de clubes 2012, pelo Corinthians; campeão estadual paulista 2013

 

«Mundo Brasil» é uma rubrica que conta histórias das experiências de jogadores e treinadores brasileiros que atuam ou já atuaram em campeonatos espalhados pelo globo