No domingo, após a conquista da Supertaça de Inglaterra, Pep Guardiola disse que o seu Manchester City, neste momento, «é o Bernardo Silva mais dez». 

Já perante a ausência confirmada de Jonas para o jogo de terça-feira, frente ao Fenerbahçe, Rui Vitória foi questionado se, tendo em conta a importância que o avançado brasileiro assumiu no passado recente das águias, se alguma vez considerou que a sua equipa fosse «Jonas mais dez».

«O passado é história», atirou numa primeira fase, realçando que «o futebol é um trabalho coletivo.» «E ao longo destes anos fomos sempre uma equipa determinada e convicta, unida e coesa, a saber aquilo que estava em causa, com muitos êxitos e num ou outro caso com menos sucesso», avaliou.

Ainda assim, o técnico não se escusou a avaliar o contributo de Jonas para o Benfica, referindo que nem é preciso ser ele a afirmá-lo. 

«Em relação ao Jonas, o passado é inegável. Foi um jogador que nas últimas temporadas teve um grande desempenho. Nem é preciso o treinador do Benfica dizê-lo, basta olhar para as televisões e para os jornais e ver os golos marcados e as assistências que tem. Agora se foi ele e mais dez... há momentos em que devemos dizer isso. E no caso do Bernardo Silva, foi uma grande injeção de confiança para ele», acredita Vitória.