Questionado sobre a agressividade demonstrada pelos portugueses, num jogo considerado amigável, Scolari desvalorizou: «Isto é um jogo de campeonato mundial, e ainda é bem pior do que isso. É por isso que estamos a fazer estes particulares, defrontando equipas com a qualidade que tem Portugal. Portugal joga muito bem, joga uma bola redondinha. Acho normal que exista rispidez num jogo, desde que seja sem intenção de magoar.»

O antigo selecionador mostrou-se satisfeito com a prestação de Neymar, que esteve nos golos brasileiros: «Continua a ser caçado, porque tem qualidade no drible. Expõe-se a uma jogada em que o adversário lhe bate ou desloca, e aí vem a história que o Neymar se atira muitas vezes ao chão. Muitas vezes, ele é parado com faltas e o árbitro tem de assinalar. Jogou muito bem. Faz três, quatro anos, desde que surgiu no Santos, que tem uma apresentação a cada 15, 20 jogos em que não reproduz o que sabe fazer ou um pouquinho menos do que o normal, mas o normal é isso.»

Que conclusões tira Scolari dos ensaios feitos? «Confirmar [jogadores] totalmente ainda não, porque faltam quatro jogos este ano e o jogo de março. Depois, existem vários detalhes que podem fazer-me mudar o pensamento sobre um jogador. Mas, no jogo da Austrália e no de hoje, vi que há um ou dois jogadores que posso acrescentar naquele grupo de 18 que acho que serão jogadores para o Campeonato do Mundo. Achei que ganhámos, no mínimo, mais dois jogadores.»

O Brasil venceu Portugal, por 3-1, em jogo particular realizado nos Estados Unidos. Raul Meireles marcou pela seleção nacional, Thiago Silva, Neymar e Jô fizeram os golos brasileiros.