«Agora que acabei a minha carreira, isto é uma nova etapa na minha vida. Este curso vai dar-me uma outra experiência e a oportunidade de falar de outras coisas que nunca tive oportunidade de falar e poderá ser útil para o meu futuro», começou por contar ao Maisfutebol, no primeiro dia de «aulas».

A carreira de sucesso ao serviço do F.C. Porto e a curta passagem pelo Real Madrid permitiram a Secretário adquirir uma experiência que, agora, espera vir a ser útil para o início da nova vida. «Espero que sim, tenho um orgulho enorme no meu passado, nos clubes por onde passei, uns com maior nome do que outros, que me ofereceram as melhores condições para que no futuro possa ter maior sucesso. Mas isso também dependerá daquilo que me aparecer e conforme as coisas correrem. Estou a preparar-me para isso e, além deste curso, vou fazer outros estágios noutros clubes para ter conhecimentos do papel de treinador», referiu.

O curso conta com quarenta candidatos, a grande maioria (75 por cento) antigos jogadores que se cruzaram com Secretário nos relvados. Num mercado saturado, o antigo lateral defende que há lugar para todos. «Certamente que alguns terão mais sucesso do que outros. Alguns vão ter emprego mais rápido, mas todos estão a lutar pelo mesmo objectivo e isso é saudável e quem vai beneficiar é o futebol português. O papel de treinador é totalmente diferente do de jogador, mas a experiência que todos estes jogadores tiveram pode ser bastante importante num futuro papel de treinador e num futuro relacionamento com o jogador. Alguns deles já estão a exercer e certamente que essas experiências antigas lhes foram muito úteis no trabalho que estão a realizar», explicou.

O F.C. Porto tem aberto os braços a jogadores que se destacaram de azul-e-branco, dando-lhes a oportunidade de prosseguirem as respectivas carreiras nas equipas técnicas dos vários escalões do clube. Foram os casos de Lima Pereira, André, Aloísio, João Pinto, Domingos ou Rui Barros. Secretário gostava de contar com uma oportunidade semelhante. «Estive vários anos ao serviço do F.C. Porto, neste momento não estou, mas nunca se sabe se um dia poderei voltar. Toda a gente sabe que tenho uma ligação forte ao F.C. Porto e qualquer treinador gostaria de começar num clube como esse. Vai ser difícil, vou tentar aprender o máximo, depois logo se verá», acrescentou.