Carlos Queiroz chamou os jornalistas para fazer um balanço da participação nacional no Mundial 2010. Pelo meio comentou a reacção de Ronaldo após o adeus de Portugal à competição, para dizer que não vai ignorar. O seleccionador não respondeu directamente à pergunta, mas deixou a entender que Ronaldo não vai perder a braçadeira de capitão.

Queiroz: «Se digo que um jogador está cansado, é porque está cansado»

«O Ronaldo é um campeão, que quer e gosta de ganhar tudo. Quando não consegue atingir os objectivos, é natural que saia frustrado», disse. «Não vamos ignorar o que aconteceu. Vamos reflectir, vamos educar, vamos dizer para não fazer isto. Mas não deixaremos que um momento de frustração vá criar nuvens sobre os interesses superiores da Selecção.»

Queiroz fica: «Nada nem ninguém nos vai desanimar»

O seleccionador meteu porém ordem na casa. «A pessoa que durante quatro anos, dia, tarde e noite, treinou o melhor do Mundo, vai continuar a fazê-lo. É a minha obrigação, porque Portugal precisa de Ronaldo e o Ronaldo precisa da selecção. Agora, se o tamanho da camisola for pequeno de mais para algum corpo, não precisa de estar aqui.»

Queiroz: «O golo da Espanha foi claramente fora-de-jogo»

O treinador quis, de resto, desvalorizar a situação, mas foi deixando alguns recados. «Já tive também 28 ou 30 anos, já sou suficientemente velho para não saber tudo e saber reconhecer os erros. É natural e compreensível, quando se fazem jogos desta intensidade, que apareçam algumas frustrações», afirmou o seleccionador em conferência.

«Não vamos ignorar o que se passou, porque não estamos aqui para ser amigos dos jogadores. Também tive expressões de frustração, mas aprendi. Estamos aqui para nos respeitar todos, se no final pudermos ser amigos, melhor. Se levei quatro ou cinco anos, dia e noite, para fazer do Ronaldo o melhor jogador do mundo, e se precisar de lhe dizer que há reacções que devem ser educadas, vou fazê-lo.»