Uma nova vitória no Jamor, a 14 de Maio, sobre o F.C. Porto, abrirá definitivamente as portas da Europa aos sadinos, mas em caso de derrota a equipa de Hélio Sousa terá de torcer para que a equipa de Co Adriaanse, a outra finalista da Taça, se qualifique num dos três primeiros lugares da liga, o que, olhando para a situação actual, com a equipa do Dragão no topo da classificação, será um cenário que dificilmente não se verificará no final do presente campeonato.

Há um ano, depois das meias-finais, verificou-se a mesma situação. O Vitória qualificou-se para a final com o líder da Liga, na altura o Benfica, mas não precisou de olhar para a classificação, uma vez que conquistou o troféu no Estádio Nacional. Este ano repete-se o mesmo quadro com a equipa do Bonfim a defrontar o actual líder da Liga na final. Assim, só um «terramoto», que afaste a equipa de Co Adriaanse dos três primeiros lugares, é que poderá também afastar os sadinos da UEFA.

Neste último caso, na perspectiva de que o F.C. Porto venceria a final da Taça, o sexto lugar da Liga também daria acesso directo à UEFA. O Vitória, actual sétimo classificado, teria de subir mais uma posição na tabela classificativa para ambicionar voltar a jogar na UEFA. Há um ano, com Norton de Matos no comando da equipa técnica, o Setúbal caiu na primeira eliminatória da Taça UEFA diante dos italianos da Sampdória, com um empate no Bonfim (1-1) e uma derrota em Génova (0-1).