Numa primeira fase, António Salvador contatou primeiro o treinador e só depois o Farense. «Estava em Lisboa e recebi uma chamada do Jorge Paixão ontem à uma da manhã a dar conta do convite do Braga. Esta manhã recebi uma chamada do presidente António Salvador a dar conta de que gostaria de ter o Jorge Paixão nos quadros do Sp. Braga. Como não gosto de travar a carreira de ninguém, dei o meu aval», conta António Barão ao Maisfutebol.

O presidente do Farense, atual 11º classificado da II Liga, lamenta a saída de um treinador que «estava  fazer um grande campeonato». «O Jorge Paixão, para mim, é um dos melhores treinadores portugueses da atualidade, na linha de Jorge Jesus. Trabalha 24 horas por dia, é um mestre e, se calhar, não se vai ficar pelo Braga. É uma grande perda para o Farense, já estávamos a trabalhar na próxima temporada», conta o dirigente algarvio.

António Barão espera, no entanto, contra-partidas da parte do Sp. Braga. O dirigente algarvio está no Porto para o Conselho de Presidentes e já tem um almoço marcado com António Salvador. «Vamos ver, para já o que temos é uma relação mais próxima com o Sp. Braga, mas vou almoçar com o presidente António Salvador e vamos conversar», revelou.

Quanto ao Farense. «Amanhã vou falar com o plantel. Para já ficam os adjuntos Antero Afonso e Carlos Costa que já orientaram o treino desta manhã», referiu.

O Maisfutebol contatou ainda o próprio Jorge Paixão que, por estar a conduzir, foi curto nas palavras. «Ainda não posso dizer nada, mas logo à tarde são capazes de ter novidades», atirou.

Quem é Jorge Paixão?

Jorge Paixão, 48 anos, natural de Almada, chega ao maior escalão do futebol português depois de uma meteórica ascensão ao serviço do Farense na II Liga. O jovem técnico chegou ao clube algarvio em setembro do ano passado, sucedendo a Mauro de Brito, à 8ª jornada, depois de dois anos no Qatar ao serviço do Al-Mesaimeer Sports Club, e deu nas vistas conduzindo o clube de Faro até meio da tabela com uma equipa muito jovem.

Os seus métodos de trabalho são muitas vezes comparados aos de Jorge Jesus e o percurso dos dois treinadores até têm alguns pontos em comum, embora desfasados no tempo. Jorge Paixão começou a jogar futebol no Amora, na temporada de 1984/85, numa altura em que Jorge Jesus era jogador do Farense, quatro anos antes de iniciar a carreira de treinador no Amora. Os dois Jorges foram ainda treinadores do E. Amadora. Jesus em dois períodos, em 1998/2000 e 2002/03, enquanto Paixão passou pela Reboleira em 2009/10.

Antes de partir para o Qatar, em 2011, Jorge Paixão já tinha treinado o Mafra, E. Amadora, Recreativo Caála (angola), Pontassolense, Atlético, Real Massamá, Casa Pia e Almada.

Jorge Paixão será, assim, o 12.º treinador em onze anos de presidência de António Salvador, que trabalhou com Fernando Castro Santos, Jesualdo Ferreira (por duas ocasiões), Carlos Carvalhal, Rogério Gonçalves, Jorge Costa, Manuel Machado, António Caldas, Jorge Jesus, Domingos Paciência, Leonardo Jardim e José Peseiro.