De um momento para o outro, Sílvio tornou-se o jogador mais falado do futebol português. Contratado pelo Sp. Braga ao Rio Ave, o lateral que tanto joga à esquerda como à direita conquistou rapidamente os adeptos «arsenalistas». As boas exibições frente ao Sevilha foram acompanhadas pelo grande golo que valeu a vitória diante do Marítimo. A convocatória para a Selecção acaba por confirmar o bom momento de um jogador que foi formado no Benfica, mas que teve de passar pela 3ª divisão para traçar um percurso de destaque no nosso futebol.

A polivalência, um dos principais «trunfos» de Sílvio, já marcava pontos nas camadas jovens. «Era um miúdo franzino, de pequena estatura, mas que jogava muito bem com os dois pés. Era tecnicamente muito evoluído. Jogava em qualquer lado. Não só a lateral. Até jogou a extremo, a «10», e algumas vezes a central. Sempre foi muito versátil. Tinha grande entrega, grande paixão pelo futebol», contou ao Maisfutebol Eduardo Almeida, que começou por ser treinador de Sílvio na formação do Benfica, mas viria a reencontrá-lo mais tarde.

É que cumprido o processo de formação, Sílvio foi dispensado pelas «águias». «Não era visto como um jogador de futuro, de Selecção. Mesmo antes do último ano de júnior já era encarado assim», recorda Eduardo Almeida. Admirador das capacidades técnicas e pessoais do jogador, o técnico decidiu levá-lo para o Atlético de Cacém, clube que orientava em 2006/07. «Surgiu a hipótese de jogar no Santa Clara e ele até chegou a treinar à experiência em Inglaterra. No Tottenham e no Portsmouth, creio. Mas os direitos de formação que era necessário pagar acabaram por condicionar algumas dessas possibilidades. Disse-lhe então que, se não arranjasse mais nada, teria sempre abertas as portas do clube onde estivesse.»

Chamada à Selecção surge «em boa altura»

É uma frase feita, mas Sílvio deu mesmo um passo atrás para depois dar dois em frente. Esteve apenas um ano no Atlético do Cacém, e depois rumou ao Odivelas, clube que também só representou durante uma época. O Rio Ave não ficou alheio ao talento do jogador e avançou para a contratação.

Ironia das ironias, a estreia no principal escalão surgiu frente ao Benfica (1-1), logo na ronda inaugural da época 2008/09. Após duas épocas em bom plano no emblema de Vila do Conde, Sílvio foi contratado pelo Sp. Braga. As portas da Selecção não demoraram a abrir-se, no arranque da campanha para o Euro 2012. «As opções são do seleccionador, mas tem condições para conquistar um lugar. Vai ter o apoio dos colegas, pela pessoa que é, pelo que não terá problemas. Há vários jogadores a renunciar, nesta altura, por isso é uma boa altura para conquistar um lugar», defende Eduardo Almeida.

Sílvio alterna tantas vezes entre o lado direito e o lado esquerdo da defesa, que já é difícil perceber qual a sua posição real (se é que tem), embora o facto de ser destro ajude a decidir. «Penso que ele é lateral direito, pois o seu melhor pé é o direito. Na esquerda tem tendência para procurar a zona central. A dada altura ele gostava mais da esquerda, mas agora penso que gosta mais da direita. No fundo ele gosta é de jogar, seja onde for», revela o técnico que na época passada orientou uma equipa da Tanzâia (African Lyon), e agora é adjunto de Jorge Amaral, treinador do Real Massamá.