«No processo de reestruturação, foi verificado que o mesmo [Manuel Fernandes] detinha dois contratos, tendo sido proposto a rescisão de um deles e a manutenção do outro. Tal não foi aceite e foi pedido pelo mesmo para ser colocado no despedimento coletivo», escreve Bruno de Carvalho no e-paper do jornal Sporting.

«Confesso que fiquei com alguma mágoa, mas, para mim, Manuel Fernandes nunca deixará de ser o meu eterno capitão e terá sempre em Alvalade a sua casa».

Manuel Fernandes estava integrado na estrutura da equipa B dos leões.