José Peseiro, treinador do Sporting, depois da derrota diante do Portimonense (2-4), no Algarve, em jogo da 7ª jornada da Liga:

- Faltou sermos mais fortes na primeira parte. Fundamentalmente isso. Era necessário estar compacto, estar junto, a equipa controlar melhor os momentos do jogo, face ao contexto do jogo e tudo o que se passou nos últimos dias. A responsabilidade é nossa mas há questões que condicionaram a frescura e a intensidade que colocamos em jogo. Era necessário sermos mais assertivos, sermos uma equipa que não desligasse do jogo, como fizemos na primeira parte, que não o partisse e não se expusesse a situações de contra-ataque, que o Portimonense aproveitou bem.

- Uma má primeira parte. Temos de aceitar, mas não podemos repetir. Um resultado justo na primeira parte, mas no primeiro golo há uma falta de Jovane que devia ter sido vista pelo VAR. Na segunda parte, fomos melhores, mais bem posicionados, mais compactos. A equipa teve capacidade de acreditar e quando chegámos ao 2-1 perdemos um pouco a cabeça, com tanta vontade de fazer golos. A equipa acreditou que podia ser possível, foi muito penalizada, mas também nos expusemos às situações de contra-ataque do Portimonense. Fica essa segunda parte melhor, muitas vezes mais com o coração do que com a cabeça. Ainda por cima, com dois jogadores que saíram lesionados, obrigando a queimar substituições.

- Queríamos vencer para estar a um ponto dos primeiros. Não vencemos. É um momento triste para nós, mas passou. Não demos o passo em frente que costumamos dar. Demos um passo atrás, mas estamos apenas na sétima jornada. O resultado vai incomodar-nos e penalizar-nos, mas não nos vai impedir de seguir o nosso caminho. Sabemos o que estamos a fazer, temos condições para alcançar os objetivos a que nos propusemos desde o início da época e vamos sem medo, sem receios, porque isto não nos retira a confiança. São quatro pontos [de atraso para a liderança] à sétima jornada.