Com um golo do suspeito do costume, Djalmir, o Olhanense derrotou o Leixões (1-0) e assegurou a manutenção na Liga Sagres, empurrando o adversário desta noite para a Liga de Honra. Os algarvios mereceram a vitória, pois estiveram sempre mais próximos do golo que o adversário. Que estava necessitado de ganhar, mas pouco fez por isso.

Jorge Costa alterou o habitual esquema (4x3x3) e colocou a sua equipa em 4x4x2, com Djalmir e Yazalde no ataque. Ukra e Paulo Sérgio foram os extremos, com Rui Baião e Castro a ocuparem a zona central do meio-campo. Na defesa, Tengarrinha derivou da zona central para o lado direito, face á ausência de Lionn, castigado. Miguel Angelo, Anselmo e Carlos Fernandes completaram o quarteto.

No Leixões, Fernando Castro Santos, com problemas no centro da defesa, recuou Fernando Alexandre, para fazer parelha com Joel, e Cauê ocupou a vaga de trinco. No 4x3x3 do treinador galego, Hugo Morais e Seabra eram os médios mais criativos, em apoio ao trio de ataque: Zé Manuel, Pouga e João Paulo.

Só a vitória interessava à equipa nortenha, que, no entanto, entrou com uma atitude expectante, dando a iniciativa ao adversário. O Olhanense, apesar de imprimir um ritmo lento, como lhe convinha, conseguiu criar algumas situações preocupantes para a baliza de Berger. A primeira foi aos 11 minutos, num livre directo de Paulo Sérgio à barra. Djalmir e Yazalde criaram embaraços à defesa leixonense, faltando, contudo, acerto na finalização, com o internacional sub-21 português a falhar duas boas oportunidades. Durante o primeiro período, o Leixões nunca colocou em sobressalto a baliza algarvia.

Para a segunda metade, Fernando Castro Santos retirou Zé Manuel e colocou em campo Braga, que poucos minutos depois falhou de cabeça a primeira oportunidade, sinal de que a atitude dos visitantes seria diferente.

Mas o Olhanense não acusou essa mudança no adversário, e, depois de duas oportunidades para cada lado, os algarvios voltaram a ter o controlo do jogo, retornando a jogar mais tempo no meio-campo adversário.

Com o tempo a escoar, o Leixões foi invertendo a tendência do jogo e começou a aproximar-se mais da baliza de Ventura, principalmente em lances de bola parada. Quando o Olhanense já defendia o precioso empate, Paulo Sérgio bateu um livre na direita para a cabeça de Djalmir, que saltou com Cauê e marcou o golo que valeu a vitória e a festa dos algarvios.