Portugal venceu pela primeira vez na Taça das Confederações e venceu pela primeira vez a Rússia em solo russo, após cinco tentativas.

O 1-0 vale agora quatro pontos no Grupo A e deixa as meias-finais à vista.

Golo de quem? Ronaldo, pois claro!

Na «mãe Rússia», Cristiano continua a ser o pai de todos os recordes: foi o 100.º golo da seleção com a intervenção de CR7, que leva 74 golos e 26 assistências pela «equipa das quinas».

Os 74 golos pela Seleção Nacional aproximam o astro português de duas lendas da Hungria das décadas de 1940 e 1950, dos «Mágicos Magiares», que até ao presente se mantêm como melhores marcadores das seleções europeias.

Está apenas a um golo de igualar Sándor Kockis (75) e a dez de Ferenc Puskás (84), o melhor marcador europeu e mundial de seleções. E pelo meio pode ainda apanhar Pelé, que marcou 77 golos pela seleção brasileira e é está no trio de maiores goleadores de seleções em todo o mundo.

Em termos de goleadores em seleções europeias, Cristiano Ronaldo igualou o francês Just Fontaine com 13 golos em fases finais de todas as provas de seleções. À sua frente estão ainda Platini (14), Henry e Klinsmann (16), Fernando Torres (16), Gerd Müller (17), David Villa (18) e Miroslav Klose (19).

Recordes e mais recordes. Esta é a história de Cristiano. Com o golo que valeu o triunfo sobre os russos, em Moscovo, Ronaldo tornou-se no primeiro jogador a nível mundial a marcar em oito (!) fases finais de grandes competições.

Desde que com 19 anos marcou à Grécia, a 12 de junho de 2004, no jogo de inauguração do Euro 2004, Ronaldo fez golos em mais três Campeonatos da Europa (2008, 2012 e 2016), três Campeonatos do Mundo (2006, 2010 e 2014) e agora na Taça das Confederações (2017). A estas competições pode ainda juntar-se um golo a Marrocos nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004.

Ou seja, Ronaldo marca sempre em fases finais. E quando Ronaldo marca, Portugal quase sempre tem vencido: são 21 jogos consecutivos sem perder, 19 vitórias e dois empates, sempre que Ronaldo faz golo.

Por sua vez, a Seleção Nacional somou o 11.º jogo consecutivo sem perder em fases finais – desde a derrota frente à Alemanha no jogo de estreia do Mundial 2014.

Falando em história, depois de perder nos primeiros duelos com os anfitriões em fases finais (Inglaterra no Mundial de 1966, França no Euro 1984, Coreia do Sul no Mundial de 2002, Alemanha no Mundial de 2006 e Suíça no Euro 2008), Portugal venceu os últimos dois: antes da Rússia, agora, na Taça das Confederações, foi a França, na final do Euro 2016, que levou Portugal ao título europeu.

Será um bom prenúncio para a conquista de mais um título?