* por Pedro Morais

A FIGURA

Silvestre Varela:
Inteligente, desequilibrador, o melhor em campo. Assinou uma das melhores exibições da temporada e foi um perigo tanto à esquerda como à direita, quando alternou com um eclipsado Quaresma. Esteve nos melhores lances de ataque do FC Porto e foi uma dor de cabeça para Siqueira e André Almeida. Revelou um bom poder de decisão, com dois excelentes passes a isolar Jackson Martínez nas costas da defesa encarnada, mas o colombiano não aproveitou. Teve ainda nos pés uma grande oportunidade para golo, servido por Herrera, mas atirou enrolado ao lado.

POSITIVO

Herrera:
Grande jogo do mexicano, esteve em todo o lado. Importante na acção defensiva e um dos principais motores ofensivos dos dragões. Fez boas combinações pela direita com Danilo, isolou Varela e Jackson com dois passes irrepreensíveis no corredor central - o lance de Jackson valeu o vermelho direto a Steven Vitória - e pela esquerda criou três grandes oportunidades, com Jackson Martínez, por duas vezes, e Defour a não conseguirem capitalizar. Voltou a demonstrar um grande «pulmão» e deu sinais de que pode começar a afirmar-se no meio campo azul e branco.

Fernando: Igual a si próprio: um autêntico pêndulo no setor intermédio do FC Porto, um dos melhores. Nunca perde a calma nem o Norte e parece estar em todo o lado, fazendo juz à alcunha «polvo» por que é conhecido. Fez algumas interceções importantes e em várias transições ofensivas do FC Porto funcionou (e bem) como primeira etapa de construção de jogo. Uma partida ao nível a que tem habituado os adeptos portistas.

NEGATIVO

Jackson Martínez:
Muito em jogo, mas zero de eficácia. Passou ao lado do golo. Foi chamado várias vezes a jogo e teve nos pés as melhores oportunidades do FC Porto, mas nunca conseguiu aproveitar. Desperdiçou dois lances na cara de Oblak e num cruzamento de Herrera, com a baliza completamente à sua mercê, atirou por cima. Foi um perigo iminente para a defesa encarnada, mas não conseguiu capitalizar nenhuma das muitas oportunidades que teve ao seu dispôr.

Quaresma: Harry Potter sem magia. O «Mustang» não teve a potência de outros jogos e foi presa fácil para os laterais encarnados. Perdeu várias vezes no um para um e tirou alguns cruzamentos inconsequentes. Foi substituído aos 72 minutos para dar lugar a Ghilas, depois de uma das exibições mais apagadas desde que regressou ao FC Porto.