Uma exibição serena mas eficaz bastou para o Boavista vencer o Fátima e seguir em frente na terceira eliminatória da Taça de Portugal. Avisados pelo desaire do ano passado frente ao Vilaverdense nesta mesma fase, os axadrezados não quiseram facilitar e não permitiram grandes investidas ao emblema da casa, que ainda assim conseguiu assustar à beira do intervalo.

Jorge Simão mudou cinco peças em relação à vitória frente ao Desp. Aves, no último jogo do campeonato, mas a equipa não estranhou as alterações e aos 23 minutos já vencia por 2-0, com um penálti pelo meio. Três lances com cor axadrezada e todos com o mesmo protagonista: Mateus.

O angolano aproveitou uma bola perdida à entra da área e inaugurou o marcador aos 15 minutos com um remate rasteiro. Oito minutos depois, o árbitro assinalou penálti, Mateus partiu para a marca dos onze metros, mas permitiu a defesa – e que bela defesa – de Ricardo Ferreira. No mesmo minuto, Rochinha descobriu Mateus e o extremo bisou mesmo.

25 minutos e o Boavista a descomplicar a partida e a retirar as esperanças ao Fátima de fazer Taça e causar surpresa.

O conjunto de Jorge Simão, claramente mais tranquilo no encontro, geria o jogo a seu belo-prazer, sem nunca se permitir a grandes calafrios e o Fátima, apesar das boas intenções, demonstrava dificuldades em penetrar a muralha nortenha.

Porém, já em cima do intervalo, Idris facilitou no meio-campo, Magique descobriu Zé Miguel no lado direito e o extremo direito não pediu licença para rematar e bateu Bracali, que até aí não tinha sido obrigado a grandes esforços.

2-1 em cima do intervalo e esperanças renovadas para o Fátima ao intervalo, na terra dos milagres.

O Boavista, esse, é que não estava para milagres e cedo foi em busca de ampliar a vantagem na etapa complementar.

Rochinha ameaçou aos 53 minutos depois de um grande lance individual, mas Fábio Ferreira travou o remate do jogador formado do Benfica. Se no frente a frente com Rochinha o guardião do Fátima foi mais forte, o mesmo não se pode dizer dez minutos depois.

Livre frontal para os axadrezados e Fábio Espinho a oferecer o momento da tarde aos cerca de 400 adeptos das Panteras Negras que viajaram do Porto. Remate açucarado do médio e bola no fundo das redes. Fábio Ferreira bem se esticou, mas não havia nada a fazer.

O Boavista ficou então mais confortável na partida e ainda foi a tempo de confirmar a goleada à entrada para os últimos dez minutos: Mateus – sempre ele – assistiu Rochinha e o extremo a encostar para a baliza e a fechar o marcador em 4-1.

Vitória justa e clara da formação da I Liga, que cedo mostrou ao que vinha e não deixou que o Fátima acreditasse numa surpresa. A quarta eliminatória da Taça segue mesmo para o Bessa, à boleia dos pés de Mateus, que fez dois golos e uma assistência.

O emblema da casa sai goleado, é certo, mas tem o mérito de ter tentado jogar olhos nos olhos frente a um adversário de maior poderio  e de ter ido para o intervalo com a ilusão de que podia surpreender e fazer Taça.

 

Taça de Portugal – Fátima-Boavista: 1-4 (1-2 ao intervalo)

Estádio Papa Francisco

Árbitro: Cláudio Pereira

 

Fátima: Fábio Ferreira, Miguel Pereira, Jefferson, Nuno Laranjeiro, Yago, Rui Rodrigues, Wassim, Felipe Sousa (Ricardo Oliveira, 70m), Zé Miguel, Magique (Miguel Neves, 70m) e Jeka.

Suplentes Fátima: João Sardinha, Hamza, Ricardo Oliveira, Miguel Neves, João Vítor, Lucas Abreu e Miguel Artur.

Treinador: Nuno Kata

 

Boavista: Bracali, Edu Machado, Neris, Gonçalo Cardoso, Talocha, Idris, David Simão, Fábio Espinho (Miguel Costa, 76m), Rochinha (André Claro, 82m), Mateus e Falcone (Rafael Lopes, 68m).

Suplentes Boavista: Helton Leite, Raphael Silva, André Claro, Tahar, Rafael Costa, Matheus Índio e Rafael Lopes.

Treinador: Jorge Simão

 

Golos: 0-1, Mateus (15m); 0-2, Mateus (23m); 1-2, Zé Miguel (42m); 1-3, Fábio Espinho (63m); 1-4, Rochinha (79m)

Disciplina: cartão amarelo para Wassim (28m); cartão amarelo para David Simão (46m); cartão amarelo para Edu Machado (53m); cartão amarelo para Falcone (66m); cartão amarelo para Yago (74m); cartão amarelo para Jefferson (90+4m)