A festa das gentes de Torres Vedras foi travada por um penálti nove minutos depois da hora!

O esforço do Torreense acabou por ser inglório frente ao Desp. Chaves, já que conseguiu marcar nos descontos o empate, mas Battaglia de penálti colocou os flavienses na próxima ronda.

O melhor é contar tudo desde o início!

Com as bancadas do Estádio Manuel Marques praticamente lotadas, o Torreense tentava repetir a proeza de eliminar uma equipa da I Liga, depois de ter tombado o Nacional da Madeira.

Jorge Simão estava avisado para o perigo e escalou o figurino habitual, mexendo apenas duas peças em relação ao último jogo com o Moreirense: à baliza regressou o herói dos penáltis com o FC Porto, António Filipe, e entrou Assis para o meio-campo, saindo o central Fábio Santos. Ponck recuou para o eixo defensivo.

O ambiente encontrado pelos flavienses era adverso, bancadas ao rubro, uma fanfarra a tocar do início ao fim e uma claque no topo sul.

Os adeptos do Torreense estavam entusiasmados e pediram «Jamor» com faixas logo na subida das equipas ao relvado e os jogadores foram em busca do sonho.

Cléber, o guarda-redes, foi o primeiro a demonstrar que estava ali para dificultar e muito a vida aos atacantes flavienses. Brilhou nos primeiros dez minutos com duas defesas de enorme nível, a segunda monumental a remate de Braga.

O Torreense começou a ganhar metros e foi subindo no terreno. A posse era quase sempre do conjunto da Primeira Liga, mas mal havia oportunidade os três da frente de Torres Vedras não perdiam tempo.

Foi assim que aos 23 minutos ameaçaram António Filipe. Contra-ataque perfeito conduzido por Hélio Vaz e Feng pela direita, cruzamento para a recação na meia-lua de Bonifácio. O avançado entregou para trás e Stephen rematou. A bola passou a centímetros do poste de António Filipe.

Este lance empolgou ainda mais as bancadas que aos 35 minutos iriam mesmo festejar. Bola longa, Pedro Bonifácio domina de peito nas costas da defesa, roda o corpo, tirando Freire do caminho e remata sem hipótese para António Filipe.

LOUCURA!! Tudo a saltar, os adeptos a dirigirem-se aos jogador, já que a relva e as bancadas distam um metro e estão separados por um ferro.

O Torreense estabilizou e o Desp. Chaves acusou muito o golo sofrido. Só que mesmo em cima do intervalo, uma desatenção no meio-campo desequilibrou a defensiva de Torres Vedras e Perdigão isolou-se. Na cara de Cléber não perdoou.

Logo a seguir, Tiago Martins apitou para intervalo.

VEJA AS INCIDÊNCIAS DE UMA PARTIDA EMOCIONANTE RESOLVIDA NOS INSTANTES FINAIS

O segundo tempo começou com um Desp. Chaves mais acutilante e Fábio Martins teve três oportunidades antes de consumar o golo.

À quarta, o extremo fez o 1-2 de calcanhar a passe de Braga, ainda nos primeiros quinze minutos da segunda metade.

Só que este golo não retraiu o Torreense e as bancadas empurraram a equipa de Rui Narciso para a recuperação.

Apesar das oportunidades serem poucas, muitos cruzamentos, mas pouca finalização, Hélio Vaz teve o empate nos pés aos 81 minutos. O extremo isolou-se, mas António Filipe brilhou com uma mancha.

Era preciso acreditar e o chuveirinho criou problemas. Contudo uma contrariedade podia ter acabado com a esperança. Weliton tentou uma bicicleta só que acertou na cabeça de Assis e viu o segundo amarelo. Foi expulso... mas tudo ficou igual!

E aos 90 minutos o empate ia chegar.

Tiago Pereira entrou na área, livrou-se de um homem e Freire apareceu para tentar cortar, mas rematou para a sua baliza e empatou o encontro.

Festa e mais festa, a fanfarra tocava, o banco entrou no relvado, os adeptos estavam quase dentro do campo.

Foi mesmo em cima do minuto 90, Tiago Martins deu mais cinco e mais história, a final.

O Torreense estava com dez, mas nada interessou. Foi à procura do terceiro e quase conseguiu, só que o balde de água frio estava para vir.

Aos 99’, o jogo prolongou-se devido a lesão do guarda-redes Cléber, David Rosa cometeu penálti e Battaglia não desperdiçou.

O silêncio imperou uns segundos, de seguida os assobios e os protestos ao árbitro vingaram, mas depois o apoio prevaleceu a uma equipa que cai de pé e que deu mostras de muito valor. Palmas para o que se viu esta tarde em Torres Vedras!

 

FICHA DE JOGO
Estádio Manuel Marques, Torres Vedras 

Árbitro: Tiago Martins
Assistentes: André Campos e Pedro Mota
Quarto árbitro: Miguel Libório

TORREENSE: Cléber, Fábio Santos, Burguette (Tiago Pereira 80’), Feng Boxuan (Léo 62’), Stephen, Pedro Bonifácio, Tiago Esgaio, Hélio Vaz, Zhang Lingfeng (Diego Zílio 55’), David Rosa e Weliton;
Suplentes não utilizados: Marcelo Deodato, Lin Yan, Dalhata Soro, Tiago Pereira e João Lobo

DESP. CHAVES: António Filipe; Paulinho, Carlos Ponck, Freire, Nélson Lenho; Assis, Battaglia, Braga (Fall 84’); Perdigão, William (Rafael Lopes 76’) e Fábio Martins;
Suplentes não utilizados: Ricardo, Vukcevic, Fábio Santos, Patrão, Fall e Pedro Queiróz

GOLOS: Pedro Bonifácio (35’); Perdigão (45’); Fábio Martins (59’); Autogolo de Freire (90’); Battaglia (g.p. 90+9’);
Disciplina: Amarelos: Perdigão (34’); Weliton (39’ e 84’); Hélio Vaz (43’); Tiago Esgaio (61’); Fábio Martins (90+6’); David Rosa (90+9’);

Vermelhos: Weliton (84’)