Bruno Fernandes, médio do Sporting, em declarações na zona mista após a conquista da Taça de Portugal, no Jamor, após triunfo sobre o FC Porto nas grandes penalidades (5-4):

«Passaram-me imensas coisas pela cabeça, mas quero salientar o ano excelente que tivemos. Quero dar uma palavra para o Montero, para o Nani, para o Marcelo, o Viviano, o Lumor que esteve connosco durante pouco tempo.

Quero dar uma palavra a todo o staff do mister José Peseiro, especialmente ao prof, que ficou connosco quando ficámos sem treinador, e um abraço ao Tiago Fernandes que foi nosso treinador por pouco tempo. Toda a gente sabe as dificuldades que passámos. Começámos sem presidente, tivemos uma pré-época atribulada, com jogadores que voltaram sem estar ainda em condições. Dois objetivos conquistados, o terceiro que era o campeonato não foi possível. Mas a equipa está de parabéns, estou muito orgulhoso deles. Quero enaltecer o grupo, a força e união que tiveram.

Sair com duas taças? São três taças, mas nunca chega. Um jogador quer sempre mais. Preferia ter ganho mais, preferia ter dado aos adeptos o campeonato nacional. Não sei o que vai suceder, se aqui ficar gostaria de dar esse tão desejado campeonato.

Penáltis? Lotaria joga-se lá fora, não é aqui. É preciso saber bater, há mérito dos guarda-redes. O Bas é exímio a bater e hoje falhou. Já pensei, já, começar com um dérbi e com a possibilidade de vencer a Supertaça dá uma grande ajuda para o resto.

 

É um ano de recordes, de sorte e muito trabalho. Estou muito feliz.»