A judoca não merece um «sobe» apenas porque foi campeã europeia de judo em -57kg (primeiro título disputado nesta categoria). Isso seria um elogio fácil e Telma Monteiro merece mais que isso. Porquê? Porque muitas vezes irão recordar-se que ela falhou nos Jogos Olímpicos, mas poucos se lembrarão que ela soube dar a volta por cima, depois de um ano recheado de situações que influenciaram o seu rendimento.

Telma Monteiro terá dito, em Tbilissi, que «os grandes campeões são os que caem e depois voltam a colocar-se de pé». Sim, tem razão. Com ou sem medalhas para exibir, campeões são todos aqueles que aguentam os momentos menos felizes e não desistem. Caem, mas levantam-se. Indo, muitas vezes, buscar forças a esses episódios negativos.

A atleta portuguesa, que atira ao tapete tantas adversárias, é apenas humana. Mas mostrou que é uma lutadora e que isso faz parte da sua natureza. Não foi ao tapete, em nenhuma das lutas que teve de travar.