Silas

Mais uma bela partida do experiente médio criativo leiriense. Se não fosse habitual, dir-se-ia que se esforçou para coroar o centésimo jogo pela equipa do Lis com uma exibição especial mas a verdade é que os elogios caem-lhe bem num encontro que irá, por certo, recordar. Além da assistência para o golo de Cássio, algumas das principais jogadas do ataque da União passaram pelos seus pés e, não fosse alguma precipitação, até poderia ter batido Coelho.

Cássio

Já tinha marcado na primeira volta, permitindo à equipa somar os três pontos em Paços de Ferreira, e voltou a ser decisivo agora em Leiria. Não só abriu o caminho para a vitória, como, talvez no momento mais difícil, quando o Paços parecia capaz de segurar a igualdade, terminou o trabalho que tinha iniciado com o segundo golo. Pelo meio, ainda dispôs de ocasiões para aumentar a conta pessoal, mas Coelho também teve os seus méritos.

Candeias

O mais inconformado dos castores. Conseguiu criar desequilíbrios pela direita, num misto de velocidade e técnica, e ainda deu trabalho a Djuricic com um remate do meio da rua, na segunda parte, que o sérvio desviou para canto com a ponta dos dedos.

Kelly

Regressou ao onze para ajudar a compor a defesa, fazendo de terceiro central, mas foi lá na frente que se destacou. O golo do empate, com ou sem intenção, com o braço, o ombro ou pescoço, foi validado pelo árbitro e permitiu aos castores alimentarem a esperança no empate até bem perto do fim.