«Nas últimas semanas pouco se tem escrito de positivo sobre o Vitória. Primeiro foi a disputa eleitoral, depois é o jogador que ainda não renovou. Não me agrada nada esse ruído em torno da equipa», lamentou o treinador do V. Guimarães, nesta sexta-feira, na antevisão da recepção à Académica (sábado, às 18h), que recusou comentar a polémica entre Roberto e o presidente Emílio Macedo.

Na luta pelo quinto lugar, o «ruído constantemente junto da equipa não ajuda», mas Paulo Sérgio também reconheceu que «é o Vitória quem tem a pressão de jogar e garantir essa posição». «Temos de assumi-la e ter estaleca para isso. As equipas que estão ao pé de nós não têm essa pressão e isso é uma vantagem para elas», analisou.

Sobre o encontro com a Académica, o técnico deixou elogios ao adversário e avisos ao seu grupo: «Já não há jogos fáceis, mas reconheço que esta Académica joga um jogo positivo, é uma equipa perigosa e muito rápida a sair para o ataque, tem qualidade técnica, está bem organizada, pelo que prevejo um embate difícil.»

Nuno Assis está em risco de falhar o «derby» minhoto da próxima ronda, em Braga, caso veja o quinto amarelo, mas Paulo Sérgio não vai poupar frente aos estudantes a pensar nos arsenalistas. «Proteger o Nuno Assis é pô-lo a jogar, um jogador com a sua qualidade tem de jogar. Para mim, o jogo de Braga não é mais importante do que o da Académica», argumentou.