Raul Meireles

O internacional sub-21 foi decisivo no Bonfim. Fez o primeiro remate do jogo (6m) e foi dos mais esclarecidos nos primeiros minutos. Depois de um período um pouco apagado, quando descaiu para a direita, Raul Meireles foi o autor do canto, na esquerda, que deu origem ao golo de Adriano. Tentou a sorte com remates de longe. Teve o seu momento de glória aos 50 minutos quando marcou de cabeça o segundo da noite. Fez a festa e deu um beijo na face de Quaresma, agradecendo-lhe o cruzamento milimétrico.

Ricardo Quaresma

Uma fantástica jogada aos 50 minutos: correu 40 metros pelo meio-campo, descaiu para a direita, cruzou certeiro para a cabeça de Raul Meireles fazer o 2-0. Foi a melhor jogada de uma partida onde Quaresma voltou a ser importante, colocando em prática a classe que todos lhe recolhem-se. A exibição do 7 portista apenas foi manchada por uma entrada feia sobre a perna de Adalto à meia-hora, que obrigou o lateral-esquerdo a sair e a ser transportado ao hospital. Ficou com os pitons da bota de Quaresma marcados abaixo do joelho. O árbitro Pedro Henriques ficou com o cartão amarelo no bolso.

Lucho

O argentino é fundamental. Quando a equipa joga bem é quase sempre porque ele participou de alguma forma. Quando o F.C. Porto parece que vai perder o controlo do jogo, eis que aparece o argentino. Na segunda parte, com espaço, fez passes notáveis que por pouco não valeram o 3-0.

Pepe

Está num momento de forma impressionante. Nota-se na forma como ataca os lances, no contacto com os adversários, mas quando sai a jogar. É o indiscutível líder da defesa e não se assusta com os metros, largos, que tem de guardar.

Sougou

Tornou o flanco direito o mais perigoso do Vitória. Aos 13 minutos protagonizou a jogada de maior perigo dos sadinos. Pedro Emanuel e Vítor Baía desentendem-se perante a pressão de Sougou, com o guarda-redes fora da área valeu ao F.C. Porto o corte decisivo de Pepe. Aos 47 minutos desperdiçou uma boa oportunidade, rematando por cima da baliza. Aos 53 minutos perdeu outra ocasião, permitindo o corte de Bosingwa quando seguia isolado para a baliza.

Carlitos

Quis jogar bonito e algumas vezes conseguiu, mas outras houve em que fez fintas a mais, perdendo a hipótese de remate ou de passe. Aos 59 minutos jogou simples: recebeu a bola e optou bem pelo remate de longe, ao lado da baliza de Baia. Foi-se apagando à medida que os minutos decorriam e acabou substituído por Fonseca (77m).

Veríssimo

Foi o melhor jogador da defesa sadina. O único a jogar solto, sem opositor directo, Veríssimo teve cortes decisivos, como o verificado aos 39 minutos, corrigindo uma falha de Rubinho, e impedindo Lisandro de rematar (40m). Deste corte surgiu o canto do golo portistas, mas não foi por causa do camisola 23 que os sadinos perderam. Sandro e Auri é que falharam a marcação a Adriano.